Nuvem de poeira

Zelo por Curitiba ignora rua de 100 metros no Boqueirão; tá só o pó!

Vivendo em uma nuvem de poeira, comerciantes sofrem com trecho sem asfalto. Foto: Átila Alberti | Tribuna do Paraná

Um pequeno trecho com cerca de 100 metros de extensão no entroncamento da Rua William Booth com a Coronel José Luiz dos Santos, nas proximidades da ponte sobre o Rio Belém, no Boqueirão, se tornou uma grande dor de cabeça para moradores e empresários da região. Isso porque a falta de asfalto do local faz com que a poeira tome conta da região com o trânsito de veículos por esse trecho, bastante utilizado inclusive por caminhões de algumas empresas localizadas nas proximidades.

De acordo com o professor de jiu-jitsu Dilmar Cezar, que administra a filial da academia Gracie Barra localizada exatamente em frente ao trecho sem asfalto, o problema só aumenta ao longo dos anos, apesar das promessas de uma solução por parte da Administração Regional.

“Em janeiro agora fez cinco anos que a academia funciona aqui, sempre convivendo com a poeira, a sujeira e a buraqueira da rua. Junto com a academia tem outros três comércios que também sofrem muito com isso. A gente tem um estacionamento grande para os alunos, mas muitos deles desistem de treinar aqui porque têm medo de estragar o carro por causa da falta de manutenção da rua”, explica, destacando que o problema é bem mais antigo: “Já passou fácil, fácil dos 15 anos essa situação”.

+ Leia mais: “Quase me bateu na cara”, denuncia cobrador ameaçado por passageira em Curitiba

O professor diz não entender porque somente este pequeno trecho não é asfaltado, ao contrário de todas as ruas localizadas nas proximidades.

“Nos sentimos abandonados aqui. Além das péssimas condições da rua ainda tem um terreno aqui do lado que é um show de horrores, com muita sujeira e nenhuma manutenção. Na regional já prometeram que vão dar um jeito nessa situação, mas o tempo passou e não aconteceu nada”, complementa.

Trecho fica entre ruas asfaltadas. Foto: Átila Alberti | Tribuna do Paraná

+ Leia mais: Carnaval em Curitiba: o que abre e fecha na capital durante o feriadão

O trecho em questão tem início na Rua Coronel José Luiz dos Santos e segue paralelamente a esta rua até fazer uma curva na Rua William Booth. E como o cruzamento entre essas duas ruas é fechado ao tráfego de veículos, o trecho é o único meio de acesso à William Booth.

Ainda de acordo com os comerciantes, o proprietário anterior do local teria cedido o terreno para que a prefeitura fizesse o acesso.

Prefeitura nega responsabilidade por trecho sem asfalto

Procurada pela reportagem da Tribuna do Paraná, a Prefeitura de Curitiba afirmou que, ao contrário do que dizem os comerciantes, o trecho em questão não faz parte do arruamento oficial do município e está localizado dentro de um terreno particular. Assim, sua manutenção cabe ao proprietário do terreno.

+ Leia mais: Paraná abre PSS com salário de até R$ 7,6 mil; são mais de 300 vagas

“A Secretaria Municipal de Obras Públicas informa que o referido trecho não é uma via oficial mas um acesso particular, não sendo possível executar obra pública. Esse acesso pertence à mesma propriedade particular onde funciona o comércio”, afirma a nota oficial da prefeitura.

Bruno Mars em Curitiba! E não será apenas um show! Preços e ingressos!
Ô Yeah yeahhhh!

Bruno Mars em Curitiba! E não será apenas um show! Preços e ingressos!

Por que a gasolina em Curitiba é mais cara que o resto do Paraná??
Respondido!

Por que a gasolina em Curitiba é mais cara que o resto do Paraná??

Curitibano foi longe demais?? Você provaria esse crepes de pinhão?
Inusitado!

Curitibano foi longe demais?? Você provaria esse crepes de pinhão?

Whatsapp da Tribuna do Paraná
RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP!
Receba as notícias do seu bairro e do seu time pelo WhatsApp.