“A aplicação de um lockdown em Curitiba deve ser cirúrgica, no momento certo e por um tempo certo”. A declaração sobre a possibilidade de fechamento total da cidade é da médica infectologista Marion Burger, da Secretaria Municipal de Saúde, feita terça-feira (23) na live da prefeitura de Curitiba sobre o avanço do coronavírus na capital.

A médica enfatiza que o lockdown é uma medida extrema, que pode saturar a sociedade. Além disso, ela aponta que a medida não seria mágica: alivia o sistema de saúde, mas não extingue o vírus, o que reforça a atenção da população com medidas de prevenão.

“Ela [a medida de lockdown] não é persistente. Dura duas semanas no máximo, senão, a sociedade não aguenta”, enfatiza. “O lockdown não é feito pensando que daqui duas semanas o vírus desaparece. Não! O vírus vai continuar e o lockdown tem que ser feito no momento em que o sistema não suporta mais um aumento maior de casos. Mágica não vai resolver o problema”, conclui a infectologista.

Apesar da declaração, a especialista, junto com a secretaria de saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, disse que esse ainda não é o momento para a medida extrema. Curitiba era vista como modelo no enfrentamento da pandemia até algumas semanas atrás, mas atualmente sente os reflexos do afrouxamento do isolamento social. Segunda-feira (24), por exemplo, as UTIs de covid-19 de dois dos principais hospitais de Curitiba já haviam alcançado 100% de ocupação: o Hospital do Trabalhador e o Hospital Evangélico Mackenzie.

Curitiba registrou no boletim desta terça-feira 116 óbitos e 3.298 confirmações de contaminação por novo coronavírus, números que geraram uma lotação nas UTIs da cidade e que levantam novamente a possibilidade de um lockdown na capital. “O lockdown é necessário quando os indicadores nos mostrarem que é o momento. Não pode ser feito de forma momentânea, achando que o vírus vai desaparecer. É para aquele momento em que o sistema de saúde não suportar mais. Mágica não vai resolver esse problema”, ressaltou a infectologista. O lockdown, inclusive, não é descartado pelo secretário de saúde do Paraná, Beto Preto.

+Viu essa? Teste rápido que detecta covid-19 ao custo de R$ 10 é criado na UFPR

Transmissão familiar

Os dados da prefeitura mostram que seguem altos os casos de transmissão intrafamiliar, ou seja, entre parentes de uma mesma casa. “Observamos que nossos quadros de óbitos e de infectados são, em grande maioria, contaminações entre familiares. São situações em que as pessoas assintomáticas continuam transitando e transmitindo o vírus para muitas pessoas”, disse a secretária Márcia Huçulak.

Para Marion, é importante neste momento que os familiares não compartilhem utensílios de cozinha. “Não é o momento para beijos e abraços. É importante que cada um tenha seus objetos pessoais e não os compartilhe, como talheres e copos, por exemplo”, alertou. Evitar esse tipo de comportamento inibe a transmissão do vírus.

+Veja também! Como melhorar a imunidade neste inverno em plena pandemia de covid-19?

Unidos contra a covid-19

No último final de semana representantes dos municípios da Grande Curitiba se uniram para tomar decisões em conjunto contra a pandemia de coronavírus. Entre as decisões estão o fechamento de mercados, mercearias e açougues aos domingos por um período de 14 dias, a contar desde a última terça-feira (23). A medida ocorre junto com a lei seca no Paraná, com restrições em todo o estado para o consumo de álcool


Precisamos do seu apoio neste momento!

Este conteúdo te ajudou? Curtiu a forma que está apresentado? Bem, se você chegou até aqui acredito que ficou bacana, né?

Neste cenário de pandemia, nós da Tribuna intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise. Bora ajudar?

Ao contribuir com a Tribuna, você ajuda a transformar vidas, como estas

– Pai vende vende 1000 bilhetes de rifa com a ajuda da Tribuna pra salvar o filho
– Leitores da Tribuna fazem doação de “estoque” de fraldas para quíntuplos
– Leitores se unem para ajudar catadora de papel de 72 anos

E tem várias outras aqui!

Se você já está convencido do valor de sua ajuda, clique no botão abaixo