O governador do Paraná, Ratinho Jr, anunciou na tarde desta sexta-feira (19) medidas para tentar conter o avanço da covid-19 no estado – objetivo é evitar o lockdown – o fechamento completo das atividades – e diminuir a ocupação de leitos nos hospitais, em especial os de UTI. Haverá restrições em todo o estado para o consumo de álcool e medidas exclusivas para Curitiba e toda região metropolitana. As novas ações foram publicadas em um decreto estadual e valem a partir de segunda-feira (22).

Na capital e região, o comércio só poderá funcionar das 10h às 16h. Os shoppings deverão abrir durante a semana das 12h às 20h, com proibição de abertura aos sábados e domingos. O objetivo do novo horário de funcionamento do comércio é para tentar desafogar o sistema de transporte público, que vem registrando aglomerações nas linhas de Curitiba e das cidades vizinhas, principalmente no começo da manhã e final da tarde. Muitos passageiros relatam medo de se contaminar nos ônibus e até gastos extras com aplicativos de transporte para evitar o risco.

VIU ESSA? – Vereadores rejeitam lei que multaria festas clandestinas em Curitiba

O decreto estadual não chegou a impor restrições para academias, que chegaram a ser fechadas em Curitiba por determinação da prefeitura, mas depois de um acordo voltaram a funcionar.

A partir de segunda-feira, o novo horário para o comércio de Curitiba e região deverá se manter para os próximos 14 dias.“É uma questão de lógica, para que as pessoas não saiam às 6h, 7h, no horário de pico, para chegar no comércio às 8h”, explica Ratinho Jr.

Consumo restrito de álcool

Será proibida a venda de bebidas alcóolicas e o consumo nas ruas em todo o Paraná das 22h às 6h. Além disso, as forças de segurança vão reforçar as ações para evitar aglomerações, como festas e encontros em postos de combustíveis. O objetivo é barrar não só ocorrências policiais causadas pela bebida, mas também evitar acidentes causados por isso.

“Não dá para gastar energia de policiais cuidando de bêbados na madrugada sendo que há outras necessidades”, afirmou o governador sobre a proibição da venda de álcool a partir das 22h. A restrição vai abranger todos os estabelecimentos que vendem bebidas, de bares e restaurantes a lojas de conveniência e supermercados.

“O consumo de bebidas alcóolicas gera muitos acidentes de trânsito e mesmo acidentes com armas que lotam nossos hospitais. Com essas medidas, vamos poder diminuir esses traumas que sobrecarregam nossos profissionais de saúde”, reforça o secretário estadual de Saúde, Beto Preto, referindo-se à utilização desses leitos para o tratamento de covid-19.

VEJA MAIS – Grupo de empresários quer lockdown em Curitiba: “fechados pela vida”

O prefeito de Fazenda Rio Grande, Márcio Wosniak, presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba (Assomec) participou do anúncio junto com o governador e ressaltou que as medidas são para evitar a circulação das pessoas. “Temos que evitar o interesse de as pessoas andarem nas ruas, de se encontrarem”, ressaltou sobre o distanciamento social, uma das principais medidas preventivas da covid-19.

Medidas evitam o temido lockdown

Prefeitos da região metropolitana, da capital e o governador estiveram em reunião duas vezes nesta semana. Nesses encontros, os municípios e o estado chegaram a cogitar uma série de medidas para frear o avanço do coronavírus, entre elas um possível lockdown aos domingos.

“A proposta era de um decreto guarda-chuva, já que os municípios da região dependem dos leitos de Curitiba e de grandes hospitais, como o Hospital do Rocio, em Campo Largo, que tem leitos de covid-19”, comenta Marcio Mainardes, coordenador executivo da prefeitura de Pinhais.

No entanto, o governador Ratinho Jr enfatizou que não deve haver nenhum tipo de lockdown no estado até o momento. “Por enquanto não cogitamos isso e espero que não haja necessidade”, disse o governador.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?