O Fiat Uno 1994 da família de Adrian Mathias, de 14 anos, que faz tratamento contra leucemia no Hospital Pequeno Príncipe, foi encontrado na tarde de quarta-feira (15) no Tatuquara, em Curitiba. O veículo havia sido furtado no Pinheirinho, no último domingo (12), e a família ficou sem ter como levar o menino ao hospital. O caso repercutiu nas redes sociais e uma vaquinha chegou a ser organizada pela internet para a compra de outro carro.

O valor da vaquinha ultrapassou R$ 14 mil, mas segundo Cristiele Mathias, 36, mãe de Adrian, a família não deverá receber o dinheiro. Os organizadores pretendem comprar um veículo e doá-lo para Adrian. Principalmente porque o Uno foi achado pela polícia depenado, sem condições de uso.

+ Leia mais: Grávida de nove meses perde móveis, fraldas e todo o enxoval do bebê em enchente

Segundo Cristiele, o carro era muito importante para o tratamento do garoto, que tem baixa imunidade e fica debilitado com a medicação que toma contra a doença. “Ele não pode pegar ônibus é arriscado para sua saúde e ele ainda passa mal com os remédios, que são muito fortes. Além, disto não temos condições de ficar pegando Uber”, explica a mãe.

Além de ser fundamental para o transporte de Adrian, no momento em que foi levado, o carro ainda guardava documentos da família, entre eles, os papeis que seriam usados para o saque do seguro desemprego de Gerson de Moraes, 38 – marido de Cristiele – e para fazer a matrícula dos filhos do casal na escola.

Agora que o Uno foi recuperado, a família diz que não vai se desfazer do veículo, mesmo com o carro danificado e com a doação que devem receber dos organizadores da vaquinha. “Vamos tentar nos organizar para, lá na frente, tentar arrumar o carro”, disse a Cristiele.

Emprego

Cristiele, o marido, Adrian e os outros três filhos do casal, de 19, 15 e sete anos, que vieram do Rio de Janeiro (RJ), estão hospedados na casa da irmã Cristiele, no Tatuquara. Antes do furto do Uno, ela, o marido e o filho mais velho estavam desempregados.

+ Leia ainda: Rede de farmácias tem mais de 170 vagas de emprego pra grande Curitiba, litoral e interior

“Agora, nesta semana, me ligaram e eu comecei a trabalhar como ajudante de cozinha, em um restaurante no Parolin. Graças a Deus, às pessoas que nos ajudaram e às matérias que fizeram conosco”, comemorou a mulher. O primeiro dia de trabalho da Cristiele Mathias foi na quarta-feira (15). O marido segue sem emprego.

Quem quiser oferecer um trabalho ou ajudar a família de Adrian, o telefone de contato é (41) 99544-6857.