enkontra.com
Fechar busca

Paraná Clube

Paraná Clube

Paraná Clube

Rolo sem fim

Paraná Clube pode ficar sem dinheiro da venda de Jhonny Lucas

Ex-parceira do Tricolor, BASE cobra quase R$ 8 milhões na Justiça e pode penhorar venda da joia

  • Por Gazeta do Povo
Jhonny Lucas traria um alívio financeiro ao Tricolor, mas grana pode ter outro destino. Foto: Jonathan Campos

A novela envolvendo a venda do volante Jhonny Lucas para o Braga, de Portugal, ganhou mais um capítulo. Agora, o Paraná Clube pode ver o dinheiro do negócio ser penhorado, por conta de uma dívida com a empresa BASE, ex-parceira das categorias de base paranista, que cobra R$ 7,7 milhões do clube na Justiça.

+ Leia também: Tricolor estreia na Copa do Brasil diante do Itabaiana

O pedido da empresa foi protocolado pela Terceira Vara Cível de Curitiba no dia 8 de janeiro. O Tricolor tem 15 dias para se manifestar. Vale lembrar que o clube mantém um acordo com a Justiça Trabalhista, chamado Ato Trabalhista, que prioriza o pagamento de dívidas trabalhistas, em detrimento de ações cíveis, por exemplo, como a da BASE.

A ex-parceira ainda pede que, caso o time paranista não possa quitar o débito, que esta recaia sobre o presidente Leonardo Oliveira e o dirigente Luiz Carlos Casagrande, o Casinha, com base em dispositivos previstos no Profut.

O Paraná Clube faz mistério quanto à venda de Jhonny. O presidente Leonardo Oliveira ficou três semanas na Europa para negociar o atleta, visto como a salvação financeira do clube em 2019. Especula-se que o Tricolor fechou acordo com o Braga no valor de 3,5 milhões de euros, cerca de R$ 15 milhões.

Segundo a ação da BASE, o Paraná detém 71% dos direitos econômicos do prata da casa. A reportagem buscou contato com a diretoria do Paraná. Via assessoria de imprensa, o clube afirmou que não comentaria o caso. Renê Bernardi, proprietário da BASE, também preferiu não se manifestar.

+ Mais na Tribuna: Paraná Clube ‘esquece’ Paranaense foca na Copa do Brasil

Em 2008, Paraná Clube e BASE firmaram contrato de parceria de 12 anos para as categorias de base tricolores. A empresa fez aportes, previstos em contrato, no valor de R$ 4 milhões. O acordo foi rompido unilateralmente pelo Tricolor em 2014, com a parceira indo cobrar o clube na Justiça no valor de R$ 10 milhões, relativos à multa rescisória prevista contratualmente.

Em janeiro de 2016, os dois lados entraram em um acordo. O Paraná se dispôs a pagar R$ 5 milhões para encerrar a disputa jurídica. Na época principal investidor do clube, o empresário Carlos Werner ficou responsável pelo pagamento de R$ 2 milhões, enquanto o Tricolor deveria arcar com os outros R$ 3 milhões.

+ Confira os jogos e a classificação do Campeonato Paranaense

De acordo com o pedido da BASE, em 8 de janeiro, Werner já quitou a sua parte do acordo judicial com a empresa. Vale lembrar que, em 2017, o investidor rompeu com o presidente Leonardo Oliveira e deixou de aportar dinheiro no Tricolor.

Por outro lado, a BASE argumenta que o Paraná Clube deixou de cumprir a sua parte da dívida, tendo vencido no dia 31 de dezembro de 2018 o prazo para pagamento. Diante disso, a empresa cobra agora o valor total, acrescido de cláusula penal compensatória e encargos de contrato, de R$ 7,7 milhões.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

39 Comentários em "Paraná Clube pode ficar sem dinheiro da venda de Jhonny Lucas"


General
General
10 dias 4 horas atrás

Com todo o respeito, o rapaz é um jogador normal para jogar em time pequeno, onde ele foi revelado.

FRANCISCO SISSA
FRANCISCO SISSA
10 dias 7 horas atrás

os caras querem por todo jeito, ferrar o parana, nao importa como, sao iguais urubus, quando entra um pouco de dinheiro no clube, procuram um jeito de ferrar, essa BASE, fez o que pelo parana, dos atletas que eles fizeram quem se saiu bem nesta historia, que eu saiba ninguem.

Mithrandir Peregrino Cinzento
Mithrandir Peregrino Cinzento
10 dias 8 horas atrás

A mentalidade dessa diretoria ainda é dos anos 90, amadora demais!

Fabiano Duarte
Fabiano Duarte
10 dias 18 horas atrás

Esse parná grub grub se supera a cada mês, 1° é humilhado na série A, passou em média 50 milhões em 2018 nos cofres, contratou apenas nabas, ficou devendo para os funcionários, deu calote de 3 milhões que virou 8, e a torcida tem que limpar o próprio estádio

Fabiano Duarte
Fabiano Duarte
10 dias 18 horas atrás

Fazendo vaquinha até para os produtos de limpeza, enquanto isso o Nhonho mete a mão em 25 mil mensais sem atraso, viaja para negociar a tal jóia onde 70% é do grub grub, ou seja, 10 milhões sendo 8 do processo da BASE, e estamos apenas em fevereiro

Cláudio
Cláudio
9 dias 21 horas atrás

R vc preocupado né?
600 milhões de calothe e preocupado com o Paraná?
Tu é uma piada.
Assim como o resto da cachorrada calotheiros do estado.
Penhorado ou não, o dinheiro vai para pagar contas de qualquer jeito. Preocupação que vcs não tem né?

Fabiano Duarte
Fabiano Duarte
10 dias 17 horas atrás

Sem contar que é para receber quando o Braga receber de outra negociação no meio do ano, após 3 semanas de resenha, cada vez mais difícil pra craudinha dar desculpas

Martelo Rubronegro
Martelo Rubronegro
10 dias 18 horas atrás

O único que recebe em dia é o nhonho e seus 25k.

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas