Foi por pouco, mas o Atlético está classificado para as quartas de final do Campeonato Paranaense. Não foi, porém, como se imaginava. O time principal do Furacão, com mais uma atuação abaixo da média, provou a força do Paraná Clube em casa e perdeu por 1×0 o clássico realizado na noite de quarta-feira (29), na Vila Capanema. A equipe atleticana só conseguiu a classificação graças à derrota do Foz diante do Rio Branco, em Paranaguá. Na fase de mata-mata um novo encontro entre tricolores e rubro-negros, com a segunda partida sendo realizada no Durival Britto.

Se enganou quem imaginou que o clássico contra o Atlético, na Vila Capanema, pouco valia para o Paraná Clube. A Vila Capanema recebeu um público pouco visto nos últimos tempos. Mais do que isso, a grande campanha realizada até agora parece ter resgatado novamente o orgulho do torcedor paranista. Por isso, o Tricolor fez um jogo de muita disposição diante do desesperado time do Furacão.

Com três atacantes e dois homens abertos pelos lados do campo, a proposta do Paraná era clara no clássico: explorar os contra-ataques.

A estratégia pouco deu resultado, já que o Atlético foi o dono das principais ações do primeiro tempo. O Rubro-Negro, aos 9 minutos, chegou a marcar, mas Thiago Heleno usou a mão para vencer o goleiro Léo. Logo depois, Lucho González e Eduardo da Silva por pouco não clarearam a situação para a equipe de Paulo Autuori.

Só que a defesa do Paraná mostrou porque é um dos destaques do Campeonato Paranaense, segurou o esboço de pressão e em seguida o Atlético perdeu um pouco do pique do início da partida. O clima esquentou nos minutos finais. Na saída para o vestiário, os zagueiros Artur e Thiago Heleno se estranharam e acirraram a disputa para o segundo tempo.

Se foi mais comedido na etapa inicial, o Paraná Clube provou no segundo tempo que não à toa tem a melhor campanha do Campeonato Paranaense. Aproveitando melhor os espaços, o time paranista passou a controlar o jogo. O time de Wagner Lopes, eficiente na marcação, ganhou o meio de campo depois que Guilherme Biteco substituiu Pedro Bortoluzo.

Com mais alternativas ofensivas, o Tricolor quase marcou aos 16 minutos, mas Weverton fez grande defesa no chute de primeira do zagueiro Airton. O Furacão, com a vaga ameaçada, teve que se abrir e o Tricolor aproveitou para marcar. Aos 20, Robson cruzou na medida para o meia Renatinho, craque do Estadual, no segundo pau, mandar para as redes.

O gol era tudo que o Paraná queria para ter ainda mais o controle do jogo. O Atlético, sem reação e com seu meio de campo totalmente improdutivo, não tinha forças para atacar. No final, o Furacão foi para o tudo ou nada, pressionou, mas não conseguiu o empate. Mesmo assim, o time atleticano garantiu a vaga, mas somou mais uma apresentação ruim no Paranaense.