Time titular ou alternativo. Independentemente de quem entra em campo, o Paraná Clube segue irresistível quando joga na Vila Capanema. Na noite desta quarta-feira (29), foi a vez da equipe principal do Atlético sentir a força caseira do Tricolor. O time paranista, com mais uma grande atuação, venceu o Furacão por 1×0, mas não conseguiu eliminar o rival do Campeonato Paranaense, já que o Foz perdeu para o Rio Branco, em Paranaguá. Por isso, os dois times voltarão a se enfrentar nas quartas de final do Estadual, com vantagem de decidir em casa para a equipe do técnico Wagner Lopes.

Veja como foi o jogo no Tempo Real da Tribuna!

Mesmo com a primeira posição garantida, o Paraná Clube fez um primeiro tempo do clássico com muita disposição. O Tricolor, bastante desfalcado, apostou na forte marcação para conter o ímpeto do Atlético. O Furacão, por sua vez, precisando vencer para se classificar, buscou o ataque desde o início e chegou a marcar aos 9 minutos. Depois da cobrança do escanteio, Thiago Heleno marcou, só que com a mão e o gol foi corretamente anulado.

Paraná Clube foi mais ofensivo no segundo tempo, deu trabalho a Weverton e conseguiu o gol. Foto: Albari Rosa
Paraná Clube foi mais ofensivo no segundo tempo, deu trabalho a Weverton e conseguiu o gol. Foto: Albari Rosa

Mais presente no campo de ataque, o time atleticano seguiu melhor no clássico. Lucho, aos 12 e o estreante Eduardo da Silva, aos 18, por muito pouco não marcaram. O Paraná, apesar do apoio da torcida, que compareceu em bom número na Vila Capanema, conseguia chegar somente em bolas paradas.

O Atlético, na reta final do primeiro tempo, perdeu um pouco da sua intensidade. O Tricolor, que buscava os contra-ataques, não tinha criatividade no meio para pressionar o Furacão. Mesmo assim, o time paranista criou a melhor chance de abrir o placar na etapa inicial do clássico. Aos 40 minutos, depois da cobrança de falta de Renatinho, Airton subiu livre na área, mas cabeceou para fora.

O Atlético parece ter esquecido o bom futebol no vestiário. Com dificuldades para sair da boa marcação paranista, o Furacão não conseguia jogar. O Tricolor, com a mesma estratégia, só que mais eficiente nos contra-ataques, passou a criar perigo ao gol de Weverton. No primeiro minuto, Robson bateu cruzado e quase marcou.

Atlético saiu de campo cabisbaixo com a derrota, mas comemorou a classificação nos minutos finais. Foto: Albari Rosa
Atlético saiu de campo cabisbaixo com a derrota, mas comemorou a classificação nos minutos finais. Foto: Albari Rosa

O Paraná, que já tinha o domínio da partida, melhorou depois que Guilherme Biteco entrou. Na sua primeira participação, o meia cobrou falta na medida para o zagueiro Airton, que pegou de primeira e Weverton fez grande defesa. Mais perto do gol, o Tricolor abriu o placar aos 20 minutos. Jhony iniciou a jogada, Robson cruzou na medida e Renatinho, no segundo pau, completou para o gol e aumentou o desespero do Atlético.

O Furacão, com o revés e com o empate do Foz diante do Rio Branco, estava sendo eliminado do Estadual. Mesmo assim, não conseguia reagir. O Paraná se postou ainda mais na defesa, mas continuou criando as melhores chances, só que agora com os espaços deixados pelo Rubro-Negro. Aos 32, Biteco fez boa jogada e serviu Robson. O estreante, na área, passou por Jonathan, mas acertou a rede por fora.

Na base do desespero e bastante ofensivo, o Atlético foi para o tudo ou nada nos minutos finais de partida. Aos 45, depois da cobrança de falta, Nikão e Thiago Heleno, no mesmo lance, tentaram, mas a defesa do Paraná conseguiu garantir a vitória na Vila Capanema. Ao Furacão, ficou o alívio pela classificação, após a vitória do Rio Branco, mas o alerta por mais uma atuação ruim no Estadual.

FICHA TÉCNICA

Campeonato Paranaense
1ª Fase – 11ª Rodada

Paraná Clube 1×0 Atlético

Paraná Clube
Léo; Júnior, Artur, Airton e Rayan; Jhony, Zezinho e Renatinho (Leandro Vilela); Robson (Nathan), Felipe Alves e Pedro Bortoluzo (Guilherme Biteco).
Técnico: Wagner Lopes

Atlético
Weverton; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Nicolas; Otávio, Lucho González (João Pedro), Nikão, Felipe Gedoz (Matheus Rossetto) e Crysan (Douglas Coutinho); Eduardo da Silva.
Técnico: Paulo Autuori

Local: Vila Capanema
Árbitro: Cristian Eduardo Gorski da Luz
Assistentes: Bruno Boschilia e Ivan Carlos Bohn
Gol: Renatinho, 20 do 2º;
Cartões amarelos: Zezinho, Renatinho (PAR); Thiago Heleno, Jonathan, Felipe Gedoz, Paulo André (CAP)
Público pagante: 7.181
Público total: 8.041
Renda: R$ 161.735,00