enkontra.com
Fechar busca

Segurança

Caso Daniel

Caso Brittes é retomado nessa terça com depoimento de Edison

Interrogatórios seguem ordem listada na denúncia do Ministério Público, com Edison sendo ouvido primeiro. Cristiana e Allana Brites e Evellyn Perusso serão as últimas

  • Por Giselle Ulbrich

A última bateria de audiências do assassinato do jogador Daniel Correa Freitas deve ocorrer esta semana, no Fórum de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. A sessão está programada para começar às 9h desta terça-feira (13). E nesta etapa, vão acontecer os interrogatórios dos réus. O primeiro a falar deve ser o comerciante Edison Luiz Brittes Júnior, o “Juninho Riqueza”, réu confesso do homicídio.

+ Atenção! Você está a um clique de ficar por dentro do que acontece em Curitiba e Região Metropolitana. Tudo sobre futebolentretenimentohoróscopo, nossos blogs exclusivos e os Caçadores de NotíciasVem com a gente!

O processo tem sete réus, dos quais seis foram presos. Entre eles, Allana Emily Brittes, filha de Edison, que foi libertada semana passada após conseguir um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Os outros permanecem presos.

Outras duas baterias de audiências já ocorreram este ano, nos meses de fevereiro e abril. Conforme o ritual jurídico, em fevereiro foram ouvidas as testemunhas de acusação, ou seja, pessoas designadas pelos advogados que atuam como assistentes de acusação (em apoio à família do jogador Daniel). Foram três dias de audiências, com 13 pessoas ouvidas, alguns bate-bocas entre advogados, novas informações que não estavam no inquérito policial e surpresas jurídicas.

+Leia também: Guarda pega carona de moto com entregador de app pra prender suspeito

Na segunda fase, em abril, foi a vez das testemunhas de defesa dos réus serem convocadas. Em três dias, 44 pessoas foram ouvidas. Alguns testemunhos ficaram pendentes e foram feitos por carta precatória – já que as testemunhas são de outros municípios ou estados.

Conforme o ritual jurídico, os réus sempre são os últimos a serem ouvidos, depois que todas as testemunhas deram seus depoimentos e que todas as perícias e provas foram produzidas. E, em geral, segue-se a ordem listada na denúncia feita pelo Ministério Público (MP).

Ainda estão pendentes para anexar ao processo dois laudos, que são as pericias no celular de Daniel e das imagens da Shed.

Foto: Jonathan Campos/Arquivo/Gazeta do Povo

Foto: Jonathan Campos/Arquivo/Gazeta do Povo

Ordem de oitivas

Desta forma, Edison deve ser o primeiro a ser interrogado e a expectativa é que sua oitiva demore um dia inteiro. Primeiro porque, durante a fase de inquérito policial, Edison relatou à polícia os fatos somente até o momento em que ele colocou Daniel no porta-malas do carro. Depois, ele se calou e disse que se pronunciaria em juízo. Ou seja, ainda há muito a ser “desbravado” na versão dele.

+Leia também: Polícia Militar do Paraná abre concurso. Salário pode chegar a R$ 9 mil

A partir daí, a polícia só sabe o que houve no local de morte do jogador e fatos posteriores a partir dos depoimentos de David Willian Vollero Silva, Eduardo Henrique Ribeiro da Silva e Ygor King, que embarcaram no carro junto com Edison e presenciaram o crime.

Depois de Edison, devem ser ouvidos, nesta ordem: Ygor, David e Eduardo, além de Cristiana Rodrigues Brittes e Allana, esposa e filha de Edison, e Evellyn Brisola Perusso, única ré que não foi presa em nenhum momento do inquérito policial e da ação penal e está respondendo em liberdade.

Cristiana e Edison estão presos há nove meses e 12 dias – completados nesta segunda-feira (12). Allana, solta na semana passada, ficou exatos nove meses e seis dias presa na mesma cela que a mãe, na Penitenciária Feminina de Piraquara, onde Cristiana permanece. David, Eduardo e Ygor estão presos há exatos nove meses e cinco dias.

Assistência de acusação e defesa

O advogado da família do jogador Daniel e assistente da acusação, Nilton Ribeiro, em nota, afirma que espera que o crime seja esclarecido após os depoimentos dos réus. “A assistência de acusação, nessa fase da instrução penal, aguarda o esclarecimentos dos fatos, uma vez que, foram apresentadas pela defesa varias versões. Mesmo que prevaleça o silêncio dos réus, as provas produzidas serão suficientes para a sentença de pronúncia”, disse.

Do outro lado, o advogado da família Brittes não vai se manifestar antes do inicio dessa fase de instrução processual.

Homem taca fogo em companheira após briga na Grande Curitiba

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

3 Comentários em "Caso Brittes é retomado nessa terça com depoimento de Edison"


Galego
Galego
7 dias 8 horas atrás

30 anos em regime fechado estaria de bom tamanho!

Barbosa Sincero
Barbosa Sincero
7 dias 16 horas atrás

Se entrar a fundo nessa história e os envolvimentos do brites, pode começar uma nova lava jato no meio politico e policial…quem tem coragem? Pela tranquilidade dele tá tudo sob controle…

REINALDO  .
REINALDO .
7 dias 20 horas atrás

Incrível, como nossa justiça é fraca, o homem fez o que fez e nada aconteceu, ou deram satisfação a sociedade de crime.

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas