O que nenhum assassino espera é que a vítima sobreviva. Muito menos que ela consiga reconhecer os criminosos e ajudar a polícia a botá-los na cadeia. Isso aconteceu em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), onde a Polícia Civil prendeu Cristiano Gustavo da Silva Santana, 21 anos, Daniel Ferreira de Souza Júnior, 20 anos, e Guilherme Alexandre de Oliveira Guislotti, 24 anos, além de apreender um adolescente de 15 anos, que confessou ter matado um homem e atirado em uma garota, para tentar livrar os comparsas da prisão.

Leia mais: “Cagueta tem que morrer”, diz atirador ao invadir casa na RMC

O delegado Tito Livio Barichello, titular da delegacia da cidade, conta que o crime ocorreu no dia 31 de janeiro deste ano, no bairro Jardim Roma.Juntos, os suspeitos teriam cometido o homicídio só porque as vítimas deduraram crimes da quadrilha à polícia. Dois dos presos foram reconhecidos em dois roubos ocorridos na cidade.

Na ocasião, os quatro entraram fortemente armados na casa das vítimas, mataram Gelson Hartmann, 39 anos, e ainda atiraram três vezes na boca da enteada de Gelson, uma adolescente de 16 anos, que sobreviveu ao atentado e, meses depois reconheceu os três assassinos, identificados pela polícia.

Leia ainda: Preso suspeito de matar vizinho e ferir jovem com quatro tiros na boca

Suspeito preso responde pelos crimes de homicídio qualificado e tentativa de homicídio. Foto: Atila Alberti
Cristiano responde por de homicídio qualificado e tentativa de homicídio. Foto: Atila Alberti

O primeiro a ser preso foi Cristiano, no mês passado. Já na manhã desta quinta-feira (19), os policiais prenderam Daniel, Guilherme e apreenderam o adolescente. Não adiantou o garoto de 15 anos querer confessar o crime para livrar os adultos, pois a vítima reconheceu todos eles.

‘Cagueta’

Conforme Tito, as duas vítimas denunciaram a quadrilha à Polícia Militar, na época, porque eles estariam cometendo pequenos furtos na região.

A denúncia chegou ao ouvido dos supostos ladrões, que foram cobrar satisfações. Invadiram a casa dizendo que “cagueta” tem que morrer. Logo em seguida, atiraram em Gelson e na enteada.

Roubos

O delegado Tito ainda revelou que Daniel e Guilherme foram reconhecidos em dois roubos à mão armada, ocorridos em Almirante Tamandaré. Um foi em outubro do ano passado, contra uma loja de tintas, e o segundo foi contra um supermercado, no sábado passado (14).

As vítimas dos dois assaltos reconheceram Daniel e Guilherme, além de as câmeras de segurança do supermercado terem captado com nitidez os rostos dos suspeitos. A dupla foi indiciada pelos roubos.

Polícia descarta envolvimento de mortos em confronto com o sumiço de gerente em Curitiba