Morreu na tarde deste sábado (29) o menino de 11 anos arremessado do sexto andar de um edifício após uma explosão seguida de um incêndio em um apartamento do bairro Água Verde, em Curitiba. O acidente aconteceu por volta das 9h30 na Rua Dom Pedro I. A morte foi confirmada pela Secretaria da Saúde do Estado do Paraná (Sesa), responsável pelo Hospital do Trabalhador, para onde o garoto foi levado após ser socorrido com traumatismo craniano e em parada cardiorrespiratória. No hospital, o menino chegou a passar por duas cirurgias, sem resistir, devido à gravidade dos ferimentos.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Além da criança identificada como Mateus Henrique Lamb, de 11 anos, outras três pessoas ficaram feridas na explosão e foram encaminhadas com queimaduras por todo o corpo para a unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Universitário Evangélico Mackeinzie. Raquel Lamb de 23 anos e o técnico responsável pela impermeabilização Caio Santos, 30, estão internados em estado grave. Já o marido de Raquel, Gabriel de Araújo, 27, segue hospitalizado, mas em estado de saúde estável. Mateus era irmão de Raquel.

Socorro

Com o forte explosão – que de acordo com os Bombeiros pode ter sido provocada por um acúmulo de gás durante o processo de impermeabilização dos sofás do apartamento –  as paredes do imóvel desabaram. Junto com elas, o menino  foi lançado para fora do apartamento e caiu sobre um carro no estacionamento externo do edifício. Em seguida, o corpo dele foi ao chão. Bombeiros e policiais que moram nas proximidades foram ajudar no socorro, levando a criança até a parte da frente do prédio, para guardar a chegada do Siate.

+ Leia mais: Desespero, horror e impotência: vizinhos contam o que viveram após explosão em apartamento

O publicitário Nader Assad, 27 anos, síndico de um prédio próximo, conta que quando chegou ao local para ver o que acontecia, viu o garoto já estendido na rua. “Ele não parecia estar queimado, mas não respirava e tinha sangue escorrendo dos ouvidos”, lamentou o rapaz.

O menino foi reanimado por socorristas do Siate e levado de ambulância ao Hospital do Trabalhador, com escolta da Polícia Militar, para que chegasse o quanto antes ao pronto-socorro. Lá, ele passou por cirurgias neurológicas e exames, mas acabou morrendo por volta das 15h deste sábado.

Prédio interditado

Os danos à estrutura do prédio ainda estão sendo avaliados por engenheiros da Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi), órgão da prefeitura de Curitiba, que interditou o local por precaução. Não há previsão de quando os moradores poderão retornar aos seus apartamentos.

+ Leia aindaManifestantes saem às ruas de Curitiba neste domingo em apoio a Moro e à Lava Jato

No Facebook, o prefeito Rafael Greca prestou solidariedade à família do menino e das outras vítimas. Ele usou sua conta pessoal nas redes sociais para lamentar o ocorrido. “Sou solidário ao sofrimento das famílias, mas a Comissão de Segurança de Edificações – em nome da Boa Engenharia – pede evacuação do condomínio até reparação dos danos. Vamos montar guarda 24 horas até a restauração”, postou Greca.

Foto: Átila Alberti / Tribuna do Paraná
Paredes do apartamento vieram ao chão. Foto: Átila Alberti / Tribuna do Paraná

Explosão em apartamento deixa quatro feridos e assusta moradores do Água Verde

.