Há exatamente 18 anos, no dia 6 de abril de 2002, o Paraná venceu o Coritiba por 6 a 1, no que até hoje é a maior goleada em um Paratiba. A partida foi válida pela Copa Sul-Minas e os dois times não tinham mais chances de classificação.

Preocupado com a disputa da Copa do Brasil, quando enfrentaria o Corinthians pelas quartas de final, o Tricolor optou por escalar um time reserva para aquele clássico. O jogo até começou equilibrado, mas, um pouco antes do intervalo, o Paraná fez dois gols, aos 40 e 43 minutos, sendo ambos de Adriano Chuva.

A volta para o segundo tempo deu um pouco de esperança para a torcida do Coritiba, com o gol de Lima aos quatro minutos. Porém, em cinco minutos, o time paranista fez mais três gols, com Luciano, Leandro Alves e Marquinhos.

Com a vitória decidida, o Paraná ainda fez o sexto gol aos 36 minutos, novamente com Lucano. Após a partida, a torcida da equipe da casa ainda brincou com gritos de “Fica Joel”, em referência ao treinador do Coritiba na época, Joel Santana. Dois dias depois ele foi oficialmente demitido.

Ficha Técnica
Paraná 6 x 1 Coritiba
06/04/2002
Copa Sul-Minas
Vila Capanema

Paraná: Neneca; Fabinho, Xandão e Ageu; Luís Paulo (Marcelo Santos), Leandro Alves, Marquinhos (Junior), César Romero e Naílton; Adriano Chuva (Valdir) e Luciano. Técnico: Paulo Bonamigo.

Coritiba: Wellerson; Tiago, Allan e Márcio Costa; Reginaldo Araújo, Reginaldo Nascimento, Sérgio Manoel, Evair (Lima) e Badé; Liédson e Da Silva. Técnico: Joel Santana

Gols: Pelo Paraná marcaram Adriano Chuva aos 40 e aos 43 do primeiro tempo. No segundo tempo marcaram Luciano (15), Leandro Alves (18′), Marquinhos (20) e Luciano (36). No Coritiba o gol foi de Lima aos 4 do segundo tempo.

Árbitro: Luciano Augusto Almeida (Fifa-DF) .

Amarelos: César Romero (P), Ageu (P), Liédson (C), Fabinho (P), Xandão (P), Sérgio Manoel (C) e Marquinhos (P).

Público e renda: Não Divulgado.

+ Mais do Futebol:

+ CBF faz repasse milionário aos clubes das séries C e D
+ Zagueiro paranaense fala sobre drama nos Estados Unidos, epicentro do coronavírus
+ Clubes do interior cobram “mesada” de R$ 75 mil da CBF