Em vez de apenas lamentar a situação de calamidade que se abateu sobre seus negócios com o coronavírus, muitas companhias paranaenses resolveram arregaçar as mangas e voltar toda a sua força de trabalho, ou parte dela, no combate à doença. Tanto as maiores indústrias do Paraná, bem como as médias e pequenas empresas, uniram-se numa corrente solidária em prol do bem estar da população. Cada uma delas contribui como pode e isso tem feito a diferença.

LEIA MAIS – Campanha pela troca de máscaras de pano por alimentos se espalha pelo país

As ações são ordenadas desde a produção de álcool em gel e máscaras, produtos de primeira necessidade no combate à doença, até a doação de alimentos e tecnologia para que os profissionais dos hospitais e postos de saúde continuem ativos.

A Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR) colocou no ar uma página que monitora e organiza todos os números de doações de empresas voltadas a ações contra a Covid-19. O painel usa os valores divulgados publicamente pelas próprias companhias e os dados são abertos. Até o fechamento desta matéria o contador apontava quase R$ 1 bilhão em quantias arrecadadas por todo o país. As doações podem ser verificadas no site: https://www.monitordasdoacoes.org.br/.

Confira algumas dessas ações de responsabilidade social.

Klabin

Uma das maiores produtoras de celulose do mundo, a empresa passou a integrar o Comitê Intersetorial de Enfrentamento ao Covid-19, formado por órgãos públicos e de saúde de Telêmaco Borba para discutir questões relativas à infraestrutura para atendimento de casos no município. A companhia também doou equipamentos de segurança aos profissionais da saúde e kits de higiene para instituições de saúde da cidade. Já foram entregues duas mil máscaras, 150 litros de álcool gel e 30 conjuntos de roupas especiais para uso de médicos e enfermeiros do município, além de um contêiner de mil litros de hipoclorito, solução usada para desinfecção de ambientes. De acordo com Uilson Paiva, gerente de Responsabilidade Social e Relações com a Comunidade da Klabin, ao longo do mês serão entregues ainda cerca de 12 mil itens de primeira necessidade no combate à pandemia e que serão distribuídos na cidade e em municípios da região.

Electrolux

Também com o objetivo de proteger os profissionais da saúde que atuam na linha de frente de combate contra a doença, a Eletrolux passará a produzir máscaras faciais de proteção utilizando as impressoras 3D da sua unidade, em Curitiba. Serão 500 unidades doadas diretamente para cinco hospitais da rede pública da capital. Serão favorecidos o Hospital de Clínicas, Hospital do Trabalhador, Hospital Zilda Arns, Hospital Erasto Gaertner e Hospital Pequeno Príncipe. A empresa doou ainda purificadores de água para o Hospital de Clínicas e 10 refrigeradores, que serão utilizados no armazenamento de insumos durante a Campanha de Vacinação Drive Thru da prefeitura de Curitiba. O objetivo é garantir o distanciamento social para frear o avanço das contaminações. “Acreditamos que a conduta humana e sustentável de uma sociedade só é possível graças à união de pilares social, público e privado”, comenta Valéria Balasteguim, vice-presidente de recursos humanos da Electrolux América Latina.

LEIA AINDA – Máscaras caseiras protegem do coronavírus, mas é preciso saber como lavá-las

Arcos Dorados

A franquia independente do McDonald’s resolveu doar milhares de refeições aos profissionais de saúde que estão trabalhando no combate da doença. As entregas ocorreram em várias cidades do país. Em Curitiba, o Hospital de Clínicas e o Hospital Santa Cruz receberam quase mil refeições oferecidas às equipes médicas. Junto dos pacotes foram enviadas mensagens de apoio e agradecimento escritas pelos colaboradores das lanchonetes, como forma de reconhecimento aos profissionais que atuam contra a doença. “Acreditamos na união de forças para que o país possa superar esse período crítico causado pela pandemia” disse Paulo Camargo, presidente da Divisão Brasil da Arcos Dorados.

Renault

Apesar de pertencer a um dos setores mais afetados pela pandemia, a indústria automobilística, a Renault do Brasil desenvolveu várias ações como forma de mobilização contra o coronavírus. A montadora está fabricando máscaras hospitalares em impressoras 3D e tem trabalhado na manutenção de respiradores mecânicos de uso hospitalar, um dos equipamentos com maior demanda atualmente em todo o Brasil. O país tem atualmente 3,6 mil ventiladores hospitalares fora de circulação por falta de manutenção, segundo dados do Ministério da Saúde.

As impressoras da montadora trabalham 24 horas por dia para entregar o maior número possível de máscaras, que inicialmente devem ser doadas para estabelecimentos de saúde em São José dos Pinhais, município onde está localizado o complexo automotivo. Também foram emprestados 10 veículos ao Estado para o transporte e distribuição de insumos e donativos.

Manutenção gratuita garante disponibilidade das ambulâncias para atendimento emergencial| Divulgação
Outra ação por parte da multinacional é a manutenção gratuita de ambulâncias que estavam paradas. Segundo a montadora, serão recuperados onze veículos. Será realizada ainda a manutenção naquelas que estão em circulação como forma de garantir a continuidade dos atendimentos.

BRF

A gigante do setor de alimentos anunciou a doação de R$ 50 milhões revertidos em mantimentos, insumos médicos e apoio em fundos de pesquisa e desenvolvimento social, com o objetivo de contribuir com os esforços de combate à pandemia. As ofertas devem alcançar hospitais, Santas Casas, organizações de assistência social e profissionais da saúde nos estados e municípios onde a empresa atua.

No Brasil, a iniciativa contempla num primeiro momento cerca de 60 hospitais em 50 cidades de nove estados. Somente nas instituições hospitalares, incluindo hospitais de campanha, as doações deverão favorecer mais de 15 mil pessoas/dia, por meio de cerca de 2,5 milhões de refeições pelos próximos três meses.

LEIA TAMBÉM – Ateliês se unem com a ajuda de universidade e produzem aventais pra hospitais de Curitiba

No Paraná, a multinacional está presente em Curitiba, Londrina, Toledo, Ponta Grossa, Carambeí, Paranaguá, Francisco Beltrão e Dois Vizinhos.

De acordo com o CEO da BRF, Lorival Luz, este é o momento de todas as empresas praticarem a solidariedade. “Estamos vivendo uma situação sem precedentes e de alto impacto para todos nós. É hora de estarmos unidos e sermos solidários uns com os outros. Vamos fazer tudo o que for possível para proteger nossas pessoas, suas famílias e para ajudar a população a superar o mais rapidamente possível as consequências da COVID-19”.

Doctoralia

Tão importante quanto a doação de insumos e equipamentos de proteção é a conscientização de que, neste momento,é crucial praticar o isolamento social, principalmente por parte dos grupos mais vulneráveis. Atuando diretamente nessa frente, a empresa Doctoralia ofereceu de forma totalmente gratuita sua tecnologia mundialmente usada para o teleatendimento médico. As prefeituras de Curitiba e Guarapuava já estão utilizando a plataforma para investigar possíveis casos mais graves da Covid-19 e isolar esses pacientes. Os profissionais que prestam o atendimento médico remoto fazem parte do quadro próprio dos municípios.

Plataforma de teleatendimento e tira-dúvidas ajuda municípios no monitoramento da Covid-19. Foto: Divulgação

A ação reduz consideravelmente o fluxo de pacientes presenciais nas unidades de saúde, contribuindo de forma direta para o controle da pandemia. A capacidade na capital paranaense é de aproximadamente 700 atendimentos por dia. A empresa afirma que está trabalhando também para atender qualquer cidade do país que tenha interesse em adotar a prática. Gestores de saúde interessados podem participar do projeto por meio do e-mail coronavirus@docplanner.com.

Alcopar e Refriko

Para dar vazão às doações, o poder público tem oferecido suporte na logística para fazer que os insumos cheguem a quem mais precisa da forma mais rápida. No fim de março a Defesa Civil do Paraná comandou uma complexa operação para distribuir aos 399 municípios do Estado cerca de 200 mil litros de álcool doados por companhias do setor sucroenergético, como a Associação de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar), que reúne 28 usinas e destilarias do Estado, a Única e a Copersucar. A empresa de bebidas Refriko, em Cambé, realizou o processo e o envase voluntariamente.

Peróxidos, Climax8 e Abaiti

Alguns detalhes importantes nesse processo de controle passam despercebidos aos olhos da comunidade, como no caso da higienização do transporte e das estruturas utilizadas diariamente por grande parcela da população. O serviço de assepsia que tem sido realizado em alguns espaços públicos da capital é possível graças à doação de empresas como Peróxidos do Brasil, que fornece o peróxido de hidrogênio a 3%. Já a aplicação nos pontos de ônibus é realizada pela Climax8 Prestação de Serviços. Nos tubos, o serviço fica por conta da Abaiti Limpeza Industrial. Todas as empresas são voluntárias no projeto.

Esterilização dos tubos de ônibus em Curitiba é feita de graça pela Abaiti Limpeza Industrial
Esterilização dos tubos de ônibus em Curitiba é feita de graça pela Abaiti Limpeza Industrial| Foto: Divulgação

MyBox, Locart e Munck

Recentemente a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Tatuquara recebeu um ambulatório temporário para atendimento dos casos suspeitos de coronavírus. A estrutura vai funcionar dentro de um contêiner cedido pela empresa MyBox Soluções Modulares. Já o transporte e a instalação do equipamento foram feitos gratuitamente pelas empresas Locart e Munck. Outros dois contêineres da My Box armazenam equipamentos de proteção individual (EPIs) no Hospital Municipal do Idoso Zilda Arns.

Guilherme Luckow, da área de projetos da MyBox, diz que a iniciativa da empresa durante este período de pandemia é humanitária. “Soubemos de empresas que têm elevado os preços e, seguindo o pensamento do proprietário, resolvemos oferecer todas as nossas unidades disponíveis”, conta Luckow. A empresa lançou ainda uma campanha de doação de contêineres em que recebeu dezenas de pedidos.

Century Estofados

As companhias dos municípios do interior do Estado também têm se mobilizado para reforçar as medidas de proteção contra a Covid-19. A Century Indústria e Comércio de Estofados, sediada em Sarandi, optou por interromper sua linha de produção regular e passou a confeccionar toucas, aventais e lençóis e doá-los a hospitais públicos e universitários da região de Maringá. São feitas, em média, 1.000 peças por dia. “Neste momento de crise é essencial a contribuição de todos. Acreditamos que o senso de coletivo é fundamental e, por isso, vamos utilizar nossa estrutura para fornecer materiais para os hospitais, a fim de minimizar os impactos na saúde coletiva”, afirmou em comunicado o diretor e sócio da empresa, Julio Samorano.

Anjos Colchões

Mesmo nos casos onde a empresa toma a iniciativa de criar ações para reduzir o avanço da pandemia, a ajuda voluntária dos colaboradores se mostra primordial para o sucesso desses projetos. Em uma dessas frentes conjuntas entre fábrica e funcionários, a Anjos Colchões & Sofás doou para a rede municipal de saúde de Capitão Leônidas Marques 500 kits preventivos, contendo máscara, avental e touca. Com a fábrica fechada e todos os colaboradores em férias coletivas até o final de abril, 30 funcionários se voluntariaram e, com a matéria-prima, que já era utilizada na produção dos colchões e doada pela rede franqueadora, fabricaram os equipamentos de proteção. “O momento que estamos vivendo exige de nós colaboração e uma visão mais empática sobre o próximo”,diz Leonardo dos Anjos, diretor de franquias da rede.

Isoflex

A empresa, fabricante de produtos de gestão visual, doou 280 displays e 70 quadros beira de leito para instituições médicas do Paraná. Além disso, a empresa vai fabricar a parte transparente de 400 protetores faciais a serem doados às equipes médicas que estão na linha de frente no atendimento a pacientes vítimas do coronavírus.

LEIA MAIS – Psicólogos criam rede para atender profissionais da saúde que atuam na pandemia

A expectativa é que os displays sejam utilizados na divulgação de informações sobre os sintomas e métodos de prevenção, como orientações para higienização das mãos, e os quadros possibilitem agilidade no atendimento dos hospitais já que são utilizados na identificação de leitos e pacientes.

Os quadros ‘beira de leito’ por sua vez são utilizados para mostrar informações sobre o paciente, riscos clínicos, protocolos institucionais e equipe médica que está realizando o tratamento daquele paciente. Produzido em material plástico, são fáceis de higienizar com álcool e suas bordas não possuem saliências, para não haver acúmulo de sujidades e assim proporcionar maior segurança à equipe médica.

As doações serão encaminhadas para o Hospital da Cruz Vermelha, Hospital Nossa Senhora das Graças, Hospital Santa Casa de Curitiba e Hospital de Clínicas da UFPR, em Curitiba. Também foram feitas doações desses materiais para a UPA de Campo Magro.

DoopeStore

Essa loja virtual de roupas e acessórios iniciou há duas semanas a produção de máscaras e outros equipamentos de proteção, que estão sendo integralmente doados para hospitais e unidades de saúde de Curitiba e Região Metropolitana. Já foram favorecidas a Unidade de Pronto Atendimento de Fazenda Rio Grande, Santa Casa de Curitiba, Hospital do Trabalhador e Hospital do Rocio, em Campo largo. O empresário Igor Borges, proprietário da marca, destinou todos os recursos da estamparia e maquinários para a confecção das peças. As doações podem ser acompanhadas diariamente nas redes sociais da loja. “Não vejo o empreendimento apenas como uma forma de obter lucro e sim uma forma de gerar renda para as pessoas e mantê-las tranquilas, a salvo e estáveis”, afirmou em uma das publicações.