weber290306.jpgQuem circula por Curitiba, vez ou outra pode esbarrar em um rapaz esguio, com traços nórdicos, que desponta como um dos novos talentos da televisão – após ser aclamado como uma das grandes revelações nacionais do teatro. O ator Guilherme Weber, que atualmente dá vida ao personagem Freddy, da novela Belíssima, sempre que consegue um tempo entre as gravações realizadas no Rio, desembarca para rever a família e trabalhar nos projetos da companhia teatral que mantém ao lado do diretor Felipe Hirsh, a Sutil.

Com penetração cada vez maior no cenário nacional, Guilherme faz questão de manter a sede da companhia em Curitiba. "Mesmo que as estréias aconteçam em outras cidades, a concepção e os ensaios são feitos aqui. A introspecção da cidade é ideal para o processo criativo", diz Weber. A crença de que a capital paranaense não dialoga muito com o resto do Brasil também ajuda a impedir interferências de outras regiões em cada espetáculo concebido.

A marcante característica ensimesmada de Curitiba, segundo o ator, foi preponderante na formação de seu código criativo. "Certamente, se não tivesse nascido em Curitiba, seria outro artista, com outro caráter e percepção." Do artista que se tornou, ele destaca o senso de responsabilidade e a rigidez no que concerne às suas crenças. "É a herança familiar, são as raízes. Tenho muito do humor curitibano e admiro a capacidade que nós temos de rir de nós mesmos. É uma prova irrepreensível de auto-conhecimento."

Orgulhoso da terra onde nasceu, com o destaque conquistado no circuito teatral e televisivo, ele sente-se invejado pelos colegas, que não conseguem desvincular a cidade do estigma criado nos anos 90 de cidade de primeiro mundo. "É a primeira coisa que todos comentam."