Depois de aterrorizar crianças e adolescentes no ano passado, com desafios que lembravam a Baleia Azul, a personagem Momo ressurgiu em aparições em meio a vídeos infantis no YouTube. O alerta surgiu nesta semana nas redes sociais: “Haters estão invadindo os vídeos e criaram um personagem chamado ‘Momo’, o mesmo ensina as crianças pegar objetos cortantes para matar os papais, irmãos e outras pessoas. E ensinando as crianças a se suicidarem!!!”, diz uma das mensagens que viralizou em um aplicativo.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

A Momo não é um novo personagem, mas a forma de divulgação do “desafio” pode ter mudado.  No ano passado, era preciso sinalizar a participação no desafio. Para fazer parte da “brincadeira”, os participantes precisavam enviar mensagens via WhatsApp a um número divulgado como sendo da Momo ou conversar com a personagem, via jogos interativos, como o Minecraft. Momo então os respondia com imagens de violência, ameaças, xingamentos, ligações de madrugada e provas.

As primeiras aparições de Momo ocorreram no Japão, e um dos números de contato mais divulgados tem o código do país. Mas, a popularidade do “demônio” cresceu entre os latino-americanos, com a divulgação de outros contatos da Momo, com códigos da Colômbia e México. Diante da ameaça, em julho do ano passado a Unidade de Investigação de Delitos Informáticos do estado de Tabasco, no México, compartilhou na página oficial do Twitter informações de alerta aos pais a respeito do desafio da Momo.

+Leia mais: ‘Brincadeira’ faz crianças se cortarem com estile improvisado em escola de Curitiba

De acordo com as informações divulgadas pela Unidade mexicana, a história da “demônio” Momo teve início em um grupo de Facebook, que instigava os participantes a começarem uma conversa através de um número desconhecido. O envio de imagens de violência era acompanhado de ameaças de divulgação das informações hackeadas dos aparelhos, como fotos e mensagens pessoais. Como as pessoas mais vulneráveis são as crianças e adolescentes, este se tornou o público alvo da Momo.

Os riscos, ainda segundo o órgão mexicano, estão no roubo de informações pessoais, a incitação à violência, ou mesmo ao suicídio, extorsão e bullying, além de gerar transtornos físicos e psicológicos, como ansiedade e depressão..

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Quem é Momo?

Como toda lenda urbana, a história por trás da Momo revela que ela seria o espírito de uma jovem japonesa, que teria sido assassinada e, em busca de vingança, usaria as redes sociais para encontrar a próxima vítima.

A imagem de Momo se assemelha a uma personagem folclórica japonesa, chamada de Ubume, que seria uma mulher que teria falecido no parto e, para garantir que o filho sobrevivesse, apareceria na rua segurando o bebê e pedindo para que os passantes o segurassem. Logo que eles pegassem a criança, a mãe desapareceria.

Embora assustadora, Momo na vida real seria a fotografia de uma escultura de “mulher-pássaro”, produzida por um artista plástico japonês, chamado Keisuke Aizawa. A obra teria sido exposta em 2016 na galeria de arte Vanilla Gallery, em Tóquio, no Japão. Essa informação não pode ser confirmada, no entanto, embora várias imagens de turistas ao lado da escultura sejam encontradas na Internet.

O que os pais podem fazer contra a Momo?
Apesar de assustar os pais, a ameaça pode ser controlada com uma conversa com os filhos e mudanças no uso das redes sociais, especialmente o WhatsApp, além de jogos, como o Minecraft – onde as “Momos” também se escondem.

+Leia também: Apelidado de ‘Bruce Willis’, jovem escapa da morte mais uma vez na Grande Curitiba

“Uma conversa só não ajuda. Mas é importante mesclar o binômio diálogo e autoridade. A curiosidade das crianças, e dos adolescentes, é grande e os pais precisam entender que eles não têm condições de gerenciar tudo o que visualizam nas redes sociais. Os pais precisam ser os intermediários”, explica Tonio Luna, psicólogo e coordenador da Comissão de Psicologia e Cultura do Conselho Regional de Psicologia- Paraná (CRP-PR).

Sentar e explicar à criança as consequências daquela conversa com a Momo pode ajudar, e aproveitar para impor a hierarquia e autoridade no discurso. “Falar para a criança que você não quer que ela faça esse tipo de coisa, que converse com desconhecidos nas redes sociais, é essencial. A questão de impor a autoridade, de dizer ‘não’ é imensamente importante”, reforça o psicólogo.

A violência faz parte da curiosidade humana e terceirizar o ato também, ao ver outras pessoas aplicando a violência. “A diferença é que o adulto vê a cena de violência e entende, consegue separar ou se negar a vê-la. A criança, não. Ela não consegue se defender disso, e fica vulnerável”, diz Luna.

Como resposta, medos, fobias são alguns dos transtornos que podem se desenvolver – especialmente quando há a ameaça e o apelo emocional envolvidos. “Se você recebe uma ligação ou mensagem dizendo que sabem tudo sobre você, mesmo que a outra pessoa não saiba nada, é o suficiente para gerar um desconforto e manipulação”, explica o especialista.

+Leia também: Viaturas estavam atendendo outras ocorrências enquanto mulher era morta, diz PM

Ameaças denunciadas

Se você receber ameaças via Internet, como as redes sociais, denuncie. O primeiro passo é coletar as provas da ameaça. No WhatsApp, por exemplo, não basta tirar uma foto da tela, é preciso exportar a conversa – ferramenta que a plataforma mesmo disponibiliza.

Faça um registro dos documentos em cartório e busque pela Delegacia de Crimes Cibernéticos da cidade para registrar o boletim de ocorrência. Em Curitiba, o Nuciber (Núcleo de Combate aos Cibercrimes) está localizado na Rua José Loureiro, 376 – 2º andar.

Médico vira super-herói de menino de Curitiba