A Central do Profissional Autônomo e Pequenos Serviços ? CPA, da Agência do Trabalhador de Curitiba, já intermediou a prestação de serviços de 355 trabalhadores desde janeiro de 2006. O programa faz a intermediação de serviços de manutenção, como encanadores, pedreiros, eletricistas e diaristas, mas também oferece oportunidades para profissionais com formação superior, que são encaminhados para cargos de chefia ou de supervisão, além das vagas para atendimentos particulares, como fisioterapeutas e professores.

?Se o mercado formal não absorve toda a mão-de-obra, temos que criar alternativas, como a intermediação de profissionais autônomos e garantir renda para essas pessoas?, afirma o secretário do Trabalho, Emprego e Promoção Social, Emerson Nerone.

A coordenadora do programa na Agência de Curitiba, Adriana Porto, garante que o trabalho autônomo pode ser a porta de entrada no mercado formal de trabalho. ?Nosso objetivo é garantir a geração de renda temporária dos profissionais e ajudá-los a chegar à independência, a exemplo do que já acontece com as diaristas. Elas ficam conosco por um tempo e deixam de participar do programa assim que conseguem um trabalho fixo, normalmente com um dos usuários da CPA?, explica Adriana.

Segundo a coordenadora, tanto os empregadores quanto os trabalhadores têm vantagens através da CPA. ?Quem solicita um trabalhador para prestar serviços conta com profissionais cadastrados numa instituição pública, com qualificação e referências comprovadas. Já os trabalhadores, ganham mais credibilidade junto aos empresários e donas-de-casa que requisitam o serviço?.

O serviço de intermediação da Agência do Trabalhador é inteiramente gratuito para todos os usuários. ?Depois que o trabalho é concluído, aquela pessoa que teve a prestação de serviço tem meios de nos comunicar sobre a qualidade do profissional ou mesmo fazer sugestões de melhoria do nosso atendimento, por meio do preenchimento de uma carta de avaliação?, completa Adriana.