enkontra.com
Fechar busca

Política

Entrevista

Requião diz que não imaginava que perderia eleição do Senado em 2018, mas pretende voltar

  • Por Catarina Scortecci - Gazeta Do Povo
Foto: Agência Senado

“O Facebook está bloqueando tudo. Me pede R$ 22,5 mil para o vídeo atingir 9 milhões e 100 mil pessoas”, reclamou o ex-senador Roberto Requião (MDB) assim que pisou no seu antigo escritório no bairro Bom Retiro, em Curitiba, hoje alugado pelo filho, o deputado estadual Requião Filho (MDB). Acostumado a gravar suas falas em vídeos, distribuídos no seu perfil no Facebook, Requião não abandonou a rotina depois do fim do seu mandato no Senado, daí a preocupação, mencionada por ele também ao final da entrevista concedida à Gazeta do Povo, no último dia 11.

Ex-prefeito de Curitiba e ex-governador do Paraná, Requião tentou a reeleição ao Senado no ano passado com o conforto de quem tinha encontrado um lugar – “estava discutindo geopolítica no mundo, macroeconomia, servindo muito mais ao país, e ao meu projeto de participação na política” -, exemplifica ele, ao citar a atuação na EuroLat (Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana), um dos papeis que assumiu por causa do mandato de senador da República.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Mas os fatores que o tiraram de Brasília – “ninguém esperava isso, foi um acidente eleitoral” – integram um contexto maior, na visão dele: “Eu não posso reclamar da onda. Foi uma onda desta que me elegeu prefeito, contra o Lerner. O Lerner era o rei da cocada preta e eu ganhei a eleição. Uma onda desta que elegeu o Lula, elegeu o FHC, elegeu o Collor. O povo fica desesperado e acredita num troço, de repente”.

Agora, sem mandato, Requião se descreve apenas como um militante – “brasileiro, nacionalista e progressista”, como resume no Twitter. E, distante das questões paranaenses – “a política nacional engoliu a local” –, ele não aparenta entusiasmo com um eventual retorno ao Executivo. Explica que já conhece “os limites de uma prefeitura e os limites de um governo estadual” e que “um governador hoje é um escravo do [ministro Paulo] Guedes e das loucuras do [presidente Jair] Bolsonaro”. A volta ao parlamento, contudo, não está descartada – “quem sabe eu disputo o Senado com o Sergio Moro”, provocou ele.

+Leia também: Dono da Havan diz que vai dar emprego a Lula se ex-presidente for pro semiaberto

Entrevista abrangente

Abaixo, os principais trechos da entrevista:

Derrota nas urnas

Como avalia hoje as derrotas nas urnas? O que aconteceu?
Uma conjunção de fatores. Se o Beto Richa não tivesse sido preso, minha vitória era certíssima. O Ibope e o Datafolha me davam uma condição de ser um dos mais votados senadores do país. Aí “tiraram” o Beto. A votação dele não veio para mim. E o pessoal dizia o seguinte: o Beto é ladrão, foi preso, mas o Requião está eleito; então vamos votar agora no Oriovisto Guimarães e no Flávio Arns. Então eu perdi votos. O fator principal foi a história do “Requião já eleito”. Mas teve outro troço: o Requião é um político velho, Requião foi contra o impeachment da Dilma, isso tudo somou. Foi um acidente eleitoral. Eu não imaginei nunca que fosse perder. E não foi uma virada só no Paraná. Foi no Brasil inteiro. O [José] Fogaça estava numa situação excelente no Rio Grande do Sul, perdeu a eleição. O [Eduardo] Suplicy estava numa situação excepcional, perdeu. Então foi um acidente nacional, e eu fui vítima desse processo. Foi uma virada de opinião pública contra a política antiga. Todo mundo foi colocado numa mesma cesta. Ninguém sabe quem é o Oriovisto Guimarães. Paraná não conhece.

O Flávio Arns também poderia ser identificado como pertencente à velha política…
Mas estava desaparecido. E tinha uma condenação por improbidade administrativa por Tribunal de Contas por unanimidade. Ele não podia nem ser candidato. [Na ocasião, Arns esclareceu que a ação teve por base uma decisão já revista, a seu favor, pelo TCE-PR].

Inconformado?
Fiquei surpreso. Não imaginava. Ninguém acreditava nisso. Minha eleição no Brasil era dada como certa. Mas não tem porque ficar inconformado. O povo não erra. O povo foi induzido em erro. Acho que ficamos com uma representação muito fraca no Congresso Nacional. Mas eu não vou reclamar, porque figuras horríveis saíram da política, mas não foram substituídas por boas figuras. Foram substituídas por fundamentalistas religiosos. Ou outras figuras, tipo [Alexandre] Frota, que é uma coisa terrível.

E a proximidade com o PT, então, teve um peso na derrota, na avaliação do senhor?
Não existe proximidade com o PT. Eu tomo posições nas quais eu acredito. Eu não sou do PT. Embora eu ache que o PT tem uma base boa, a mais próxima do trabalhador. E tinha tantos corruptos quanto tinha nos demais partidos. Aliás, acho que tinha menos, né? Se pegar PP, PMDB… Todos têm mais condenados, indiciados, envolvidos, do que o PT.

+Leia também: Justiça marca depoimento da família Brittes e demais acusados do ‘Caso Daniel’

Política em cheque

O que virou o MDB?
O MDB, com o [Michel] Temer, ficou com 1%. Agora, com a última prisão do Temer, deve ter menos 1%. O MDB teve uma oportunidade agora de reaparecer, votando, por exemplo, meu projeto de abuso de autoridade [Requião era relator no Senado]. É um projeto que pune abusos de fiscais, policiais, juízes, procuradores, políticos…

O senhor saiu do Senado sem ver o ciclo final deste projeto…
Meu projeto foi aprovado no Senado, mas não foi votado ainda na Câmara. Agora parece que cogitaram colocar na pauta…

Que implicações o senhor acredita que o episódio das mensagens [reveladas pelo The Intercept] terá para o ex-presidente Lula e para a Lava Jato?
Todo mundo sabia disso. Essas mensagens não revelam novidade nenhuma. Elas materializam aquilo que todos nós sabíamos. Eu não acredito que o Lula não possa ser acusado, julgado. Nem o Lula, nem eu, nem você. Nós não estamos à margem do processo judicial. Mas ele merece a independência dos juízes, com amplo direito de defesa, com obediência dos prazos processuais. A anulação da sentença já deveria ter acontecido.

E quanto à Lava Jato? O senhor vê quais implicações?
O grande benefício da Lava Jato é a revelação da corrupção na política brasileira. Aqui no Paraná, o Ministério Público nunca abraçou uma denúncia minha…

Sobre corrupção no Paraná, então. O senhor deve ter acompanhado a Operação Integração. O MPF fala de corrupção ao longo dos contratos de pedágio, desde a gestão Lerner, passando pela gestão Requião, até a gestão Beto Richa.
Isso é uma canalhice do Ministério Público. Porque eu faço críticas aos abusos deles. Por que eles não dizem onde está o defeito no meu governo? Eu não digo a você que não pode ter tido um fiscal subornado numa medição de uma obra, porque é impossível controlar tudo isso, mas jamais uma corrupção de governo.

+Leia também: Atenção: Omeprazol não é preventivo e pode mascarar outras doenças

Pedágios no Paraná

O trabalho que eles fizeram na Operação Integração trouxe um acordo de leniência com a Rodonorte – o que o senhor achou?
(…) O Estado não foi consultado, a população que pagou o pedágio não foi ressarcida. Aí eles fazem um acordo, libertam todos os corruptores, baixam a tarifa, e fica por isso mesmo?

Mas o que seria viável? A estratégia da gestão Requião, de contestar os contratos na Justiça Federal, não vingou.
Porque o Judiciário dava ganho de causa sistemático para eles. E o Ministério Público não tomava nenhuma atitude. Eu fiquei sozinho nisso. Por que nunca tive credibilidade ou apoio do Ministério Público, que está fazendo esse Carnaval agora? Esses caras tinham que ser punidos e as obras deviam ser feitas. Nem prazo para fazer as obras é suficiente agora. Porque o pedágio acaba em 2021.

Que modelo o senhor defende a partir de 2021?
Os investimentos nas estradas têm que ser públicos. A manutenção pode ser privada. E você pode até terceirizar a operação do sistema de cobrança, mas eles não ficariam donos das estradas. Seria um pedágio módico, que não leve em consideração obras de duplicação que nunca acontecem.

+Leia também: Com prêmio maior do que a Mega, Timemania paga R$ 4,5 milhões; veja o resultado!

Novo governador

Como tem visto a gestão Ratinho Junior (PSD) até aqui?
O governo do Paraná é o governo do Beto Richa até hoje. É a mesma equipe, o mesmo pessoal, não houve interrupção. Eu não estou achando nada. O Ratinho era o secretário preferido do Beto e foi o candidato do Beto. É o mesmo pessoal. E, veja bem, eu não me incomodo com o Ratinho, eu me incomodo com o grupo que toma conta do governo. Se o Ratinho tivesse em outro grupo, com outra companhia, e outra proposta… Mas não, o grupo é o mesmo, continuaram fazendo a mesma coisa.

A Sanepar aumentou a tarifa de água e esgoto, alegando, entre outras coisas, que ainda compensa o período de congelamento, da gestão Requião.
Por que não houve aumento? Quando eu peguei, a tarifa estava num nível absurdo! O aumento da tarifa é para aumentar o lucro dos sócios privados.

O senhor falou da continuidade de gestão. Na eleição de 2018, o Ratinho venceu no primeiro turno com alguma facilidade, inclusive porque o principal opositor até então era Osmar Dias, que desistiu às vésperas, e enquanto negociava uma aliança com o MDB. Que avaliação o senhor faz do episódio hoje?
Eu não sei o que acontece com o Osmar… Tinha condição de ganhar a eleição e tudo e desistiu… Não tenho a menor ideia do que aconteceu com o Osmar. Nunca mais falei com ele.

Osmar Dias recusou a aliança com o MDB e escreveu, naquela carta de desistência, que “não agrido minha consciência em troca de tempo de TV, ou de apoio com base em barganhas escusas ou apoios hipócritas”.
Nós oferecemos uma aliança. Colocávamos um vice e apoiaríamos ele. Era isso. Só. Até hoje eu não sei o que aconteceu.

E isso foi decisivo para a vitória do Ratinho…
Sim. João [Arruda] fazia uma política regional. Atendia as prefeituras muito bem, trabalhava desesperadamente. Mas não era um político conhecido no estado. E eu não tinha interesse em ser governador outra vez. Porque eu era presidente da EuroLat no Senado. Estava discutindo geopolítica no mundo, macroeconomia. Eu achava que lá eu estava servindo muito mais ao país, e ao meu projeto de participação na política, do que ser governador pela quarta vez.

+Leia também: Confira os números sorteados na Mega neste sábado; prêmio acumulou!

Retorno à política

O senhor tem vontade de disputar uma eleição de novo?
Não sei, vamos ver. Eu sou um militante político, eu não paro. Mandato não altera a minha posição. Tenho aqui o Facebook, o Twitter. Vou colocando minhas ideias. Não precisa de mandato para isso. Mas isso não significa que eu não vá disputar. De repente eu disputo o Senado com o [Sergio] Moro. Seria interessante o meu debate com o Moro.

O senhor já tem uma longa trajetória na política, e é a principal liderança do MDB no Paraná. Como fica a renovação dos quadros dentro do MDB?
Você tem que renovar as ideias, ver o que mundo precisa…

Mas o MDB tem capacidade para fazer isso hoje?
O MDB está desmoralizado nacionalmente. E o MDB não precisa de jovens, precisa de ideias. É claro que a luta das gerações é interessante. Mas o novo pode ser mais velho do que os velhos quadros. Os velhos quadros do MDB e de todos os partidos de certa forma se corromperam. E isso a Lava Jato mostrou. Só que ela passou a dirigir essas denúncias a favor dos interesses norte-americanos.

Mas tem saída para as legendas tradicionais? O senhor é a principal figura do MDB no Paraná…
Estou completamente fora da política partidária. Não quis reeleição para a presidência do MDB. Estou fora da instituição. Tenho me dedicado à política. Mas política partidária, não.

Ano que vem tem eleição nos municípios. O MDB vai disputar a prefeitura de Curitiba, com João Arruda?
Os partidos estão todos desmoralizados. O problema agora é de candidaturas que consigam levantar uma proposta com credibilidade pessoal. Neste momento é isso. O Bolsonaro não tinha partido algum. Foi inventado por uma jogada de mídia.

E no MDB tem alguém hoje para fazer isso que o senhor coloca?
Não tem ninguém com propostas mobilizadoras. O João [Arruda] está fazendo um esforço. Meu filho [deputado estadual Requião Filho] faz a política que eu gostaria que ele fizesse.

São os dois nomes?
Tem outro?

Eu é que pergunto.
Se meu filho não tivesse sido candidato, o MDB não tinha eleito ninguém.

A tendência é o MDB minguar mesmo?
A tendência de todos os partidos é minguarem. O único partido que não está minguando é o PT. Porque a base do PT tem uma identidade com a população. E as políticas sociais do Lula deixaram uma marca, principalmente entre os mais pobres.

O senhor nunca pensou em sair do MDB e ir para outro partido?
Não… É tudo mais ou menos a mesma coisa. Até haver a possibilidade de uma modificação na estrutura partidária no Brasil, eu fico no MDB.

Nem para o PT? Nunca cogitou?
O PT tem um problema. Tem uma base muito boa. Acho que é o partido mais próximo do povo. Mas tem também uma louvação por políticos que não mereciam. É uma espécie de uma seita religiosa. Não faz uma análise dos erros que cometeram. Não o Lula, porque eu conheci bem o Lula, e disse a você que aquela história do apartamento e do sítio é absolutamente ridícula. Jamais poderia ser preso. Mas outras louvações… O PT não acusa ninguém, não afasta ninguém… Assim como o MDB também. Até hoje não expulsaram o Eduardo Cunha. Romero Jucá é o presidente. O MDB está apoiando o Bolsonaro no Congresso Nacional. O que eu tenho a ver com isso? Vou apoiar a entrega do Brasil, a entrega do petróleo? Fim da previdência, as loucuras todas. E ele era o cara que batia no Temer na época que o Temer queria fazer uma reforma da previdência horrível, mas melhor que a dele.

+Leia também: Falha mecânica em trem atrasa viagem e deixa turistas frustrados no feriado

Futuro do país e do Estado

Depois da gestão Bolsonaro, o que o senhor imagina para o país?
Isso é um minuto na história do país. É muito tempo na minha vida, que já tenho 78 anos. Mas é um minuto na história do país. O Brasil não vai se submeter ao domínio do capital financeiro. O povo brasileiro não vai concordar mais em não ter aposentadoria, de ter salário miserável, de não ter condição de mandar no seu próprio país. Isso poderia acontecer em outros países. Mas o Brasil conheceu todas as conquistas trabalhistas do ocidente. A Consolidação das Leis do Trabalho de Getúlio Vargas, e mais o período do Lula, quando o salário mínimo aumentou e as pessoas se integraram no mercado de trabalho e de consumo. Essa regressão é impossível. Hoje o que me assusta é o seguinte: três, quatro vezes, por dia, eu recebo um telefonema de alguém desesperado, desempregado, que não consegue pagar aluguel. E o que eu posso fazer? Nada. Estamos realmente numa situação muito ruim.

Sobre a aposentadoria dos ex-governadores do Paraná. Recentemente, a Assembleia Legislativa revogou o trecho da Constituição do Estado que permitia o pagamento do benefício. E o senhor continua recebendo. O que achou da revogação?
Acho isso tudo absolutamente ridículo. O problema da corrupção do estado é um superfaturamento de uma obra pública, do pedágio, isso, aquilo. Já o salário do governador é o salário que milhares de juízes e promotores públicos ganham. E veja o meu caso: eu me dediquei à política e não tenho possibilidade de renda, não trabalhei em empresa privada, nem nada. Eu passei os meus últimos 30 anos e poucos da minha vida trabalhando para o estado do Paraná. Se eu não tiver acesso a um recurso, eu não tenho como viver. Não vejo qual é o problema disso.

Autor da PEC, Ratinho Junior fala de cortar “um privilégio”.
O Ratinho coloca isso como um privilégio neste jogo de marqueteiro. Ele não quer vender a casa do governador? Mas não é “casa do governador”. Isso é conversa para boi dormir. Aquilo lá é uma reserva ecológica. O que o Ratinho devia fazer é o seguinte: “meu pai não recebe mais dinheiro do Estado no SBT”. Compare as duas coisas e veja qual é a grandeza de uma coisa e a pequenez de outra.

Mas o senhor defende a aposentadoria mesmo para aqueles que não cumpriram um mandato integral? Sem restrições?
Alguns casos são imorais. Mas isso é absolutamente insignificante do ponto de vista da quantificação, do valor… E eu estou sendo condenado todo dia por coisas impossíveis. Eu chamo o cara de “ladrão”, denuncio o roubo, e o juiz diz que o Requião não pode chamar o “ladrão” de “ladrão” porque ele ainda não foi condenado em última instância. E me sapeca uma multa, de R$ 100 mil, R$ 200 mil. Se eu não tivesse o recurso, eu estava morando na favela da Vila Pinto.

+Leia também: Operação prende suspeito de matar rival e de ser o gerente do tráfico em favela do Parolin

Vida de ‘aposentado’

Qual é a rotina do senhor hoje? O que tem feito?
Tenho dado palestras no Brasil. Farei agora aula de encerramento de um curso de pós-graduação na Universidade de Chapecó. Fui conversar outro dia no Clube de Engenharia do Rio de Janeiro. Fiz uma palestra na Fundação de Brasilidade no Rio de Janeiro. Tenho andado por aí. A convite de instituições, falando sobre política, economia, geopolítica, e quando me pagam a passagem.

E usado as redes sociais com frequência…
Twitter, o Face. Mas o Face agora bloqueou todo mundo. Eu tinha aí 2 milhões, 3 milhões, 1,6 milhão de acessos… De repente, cai. Daí entra na minha tela um aviso: “se você pagar 22 mil e 500 reais, o seu vídeo atingirá 9 milhões e 100 mil pessoas”. Deve ser o algoritmo. Porque, na campanha, eu recebi dinheiro do partido, e eu gastei um pouco na promoção deles. Então eles devem achar que sou um cliente em potencial. Mas agora não tenho dinheiro.

Qual é o público dos seus vídeos? O senhor fala com eleitor?
Eu falo com o Brasil.

O senhor parece distante das questões do Paraná…
A grande preocupação hoje é com o Brasil, né?

Pastel com recheio de pinhão? Iguaria está fazendo sucesso em feira de Curitiba!

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

73 Comentários em "Requião diz que não imaginava que perderia eleição do Senado em 2018, mas pretende voltar"


Ricardo Soares
Ricardo Soares
18 dias 11 horas atrás

Esse senhor e’ mais um dos inumeros em que no poder assistiu a farra da baixada.

Rogerio Reksidler
Rogerio Reksidler
18 dias 18 horas atrás

…eleitor já está cansado de charlatismo politico…alias como vai seu amigo Ferreirinha….

Galego
Galego
21 dias 2 horas atrás

Mamona nunca mais!!

Jalim Rabei
Jalim Rabei
21 dias 19 horas atrás

Esse coitado acha que irá se eleger ainda….

Renato Aguiar
Renato Aguiar
22 dias 22 horas atrás

Jamais atuou para os paranaenses, repete as mesmas mentiras desde seu início de carreira, nunca evoluiu e pior trás seu filho cordeirinho que sob as linhas do papai repete falas e sandices

1 2 3 13
wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas