O ex-governador Orlando Pessuti (PMDB) disse nesta terça-feira, 26, que os convênios assinados pelo governador Beto Richa (PSDB) durante a manhã de hoje com prefeitos de todo o estado são exatamente os mesmos que havia deixado encaminhados e que foram cancelados pelo sucessor.De acordo com Pessuti, Beto usufruiu do que chamou de “herança bendita”, depois de ter anulado os mesmos contratos quando assumiu o governo, justificando que eram irregulares.

Pessuti garante que os convênios do programa de Recuperação Asfáltica haviam sido assinados em sua gestão, entre abril a dezembro de 2010. “Infelizmente, o governo que nos sucedeu cancelou os contratos apontando irregularidades que não existiam, tanto é que eles foram relançados nesta terça-feira no mesmo formato que havíamos criado e que muito nos esforçamos para que acontecesse no ano de 2010”, atacou Pessuti. “O ato de hoje confirma que estávamos certos no programa que criamos. Uma Herança Bendita que agora foi abençoada no Paraná”, acrescentou.

De acordo com o ex-governador, ao deixar o cargo, depositou R$ 35 milhões em uma conta do Paraná Cidade para o pagamento de obras que estivessem concluídas e os outros R$ 35 milhões para pagar as licitações que ainda não haviam sido feitas. Ele garante que os recursos, empenhados e liquidados com Declaração de Disponibilidade Financeira (DDF), foram inscritos em restos a pagar e ficaram no cofre da Fazenda para envio ao Paraná Cidade.

Nesta terça-feira, Beto autorizou o repasse de R$ 34,3 milhões para obras de infraestrutura e recuperação da malha viária de 177 municípios do Paraná. Os recursos, a fundo perdido, fazem parte do Programa de Recuperação Asfáltica de Pavimento (Recap). O total previsto este ano para obras de recuperação de asfalto soma R$ 48,8 milhões que, de acordo com o governo, serão destinados a 245 municípios.

Durante a solenidade, no Canal de Música, o governador afirmou que todos os municípios receberão recursos do governo do estado. E que não haverá retaliações contra aqueles que não o apoiaram nas eleições de 2010. “A população não tem culpa de opções e decisões partidárias. No nosso governo todos serão alcançados pelas políticas públicas do governo estadual”, disse.

Pessuti se irritou com a declaração. Disse que os prefeitos do Paraná sempre foram considerados parceiros do Estado e que em momento algum houve qualquer tipo de pressão para não apoiar qualquer candidatura. “Nunca discriminamos nenhum administrador e sempre atendemos a todos independente de partido político ou de quem apoiavam. Sempre liberamos recursos, assinamos convênios, demos Ordens de Serviço para todos os municípios que estavam em condições para tal feito”, disse.