enkontra.com
Fechar busca

Paraná

Novo contrato

Presidente Jair Bolsonaro irá decidir sobre mudanças nos pedágios do Paraná

  • Por João Frey - Gazeta do Povo
Foto: Antônio More / Arquivo / Gazeta do Povo
Foto: Antônio More / Arquivo / Gazeta do Povo

Faltam 33 meses para que acabem os contratos de concessão das rodovias do Anel de Integração do Paraná, feitos ainda no governo Jaime Lerner. Para que o processo da nova licitação seja iniciado, duas decisões fundamentais devem ser tomadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL): quem será o responsável pelas rodovias federais que compõem a maior parte do Anel de Integração e qual será o modelo de concessão adotado.

A primeira decisão federal é a respeito da delegação das rodovias federais ao Paraná. Dos 2,5 mil quilômetros de estradas que compõem o Anel de Integração, 1,8 mil são da União. Portanto, a nova licitação só será comandada pelo Paraná se o governo federal mantiver o atual modelo em que os trechos federais estão sob gestão do estado.

Essa decisão vem se arrastando desde o início do ano passado. Em março de 2018, a equipe técnica do Ministério dos Transportes – atual Ministério da Infraestrutura – confirmou à Gazeta do Povo que, após o término dos atuais convênios de delegação, as rodovias voltariam ao patrimônio da União. De acordo com uma nota enviada à época pelo Ministério, o plano era aprimorar o modelo de concessão e trabalhar a concepção um novo programa de parcerias privadas que seria capitaneado pela União.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias de hoje sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Após esse anúncio, entretanto, as forças políticas do estado se articularam com o governo federal para manter a delegação para o Paraná. Em agosto de 2018, após reuniões em Brasília, o governo do estado, sob o comando de Cida Borghetti (PP) , chegou a anunciar que o cancelamento da delegação estava próximo de ser revisto. A gestão, entretanto, terminou sem que a delegação fosse renovada.

Novo governo

As negociações agora seguem sob o comando do governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) e de Sandro Alex, secretário de Infraestrutura do Paraná. Segundo Sandro Alex, uma comitiva do Paraná deve ir a Brasília ainda em janeiro para tratar do tema.

“O que eu vejo que se encaminha é um trabalho conjunto entre o governo federal e o Paraná. Eu acredito que a solução será algo feito a quatro mãos. A União pode continuar delegando as estradas, mas criando condicionantes para isso”, afirmou o secretário de Infraestrutura.

Se a gestão Bolsonaro optar por manter a delegação ao Paraná, a nova licitação será coordenada pelo Palácio Iguaçu. Se não, quem toca o processo é a Agência Nacional de Transportes Terrestres. Nesse caso, a tendência é que os trechos estaduais do Anel de Integração sejam federalizados para que a concessão possa ser feita de forma integral.

Declarações dadas pelo atual ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, antes de ele assumir o cargo indicam que a hipótese que tem mais chances é a de as estradas ficarem com o Paraná. Fontes ligadas ao ministro relatam que ele afirmou que, conduzido pelo Paraná, o processo será tratado com prioridade, enquanto no governo federal não terá a mesma relevância. Outro ponto dito pelo ministro antes de tomar posse foi que as rodovias federais do Anel de Integração, apesar de serem da União, têm características mais regionais porque ligam cidades dentro do estado ou a estados vizinhos.

A definição do modelo

Esta primeira etapa é fundamental para que se possa decidir qual o modelo de concessão que será adotado. Recentemente, a equipe de Jair Bolsonaro anunciou que pretende mudar a forma como as rodovias têm sido concedidas. Durante as gestões petistas, a regra era o modelo de menor tarifa, ou seja, a concessionária que oferecesse o menor preço vencia o certame.

Agora, o novo governo estuda implantar o formato de outorga onerosa, no qual o vencedor é quem pagar a maior quantia ao governo, mantendo os preços pelo patamar estabelecido em edital pelo poder público. Portanto, caso fique com o governo federal, a tendência é de que a licitação seja feita por outorga onerosa.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Procurado, o Ministério da Infraestrutura não se manifestou sobre a delegação nem sobre o modelo de concessão.

Como o governo do Paraná tem buscado sintonia com o governo federal, há quem acredite que o modelo de outorga será aplicado mesmo que o comando do processo fique com o Palácio Iguaçu. Segundo João Arthur Mohr, consultor de Infraestrutura da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), para que esse modelo seja bom para os usuários das rodovias, o governo deve prestar atenção a três pontos.

O primeiro deles é que seja garantida uma tarifa adequada à realidade econômica do estado. Atualmente, o preço

Decisões sobre mudança na malha rodoviária federal no Paraná serão tomadas por Bolsonaro. Foto: Alan Santos

Decisões sobre mudança na malha rodoviária federal no Paraná serão tomadas por Bolsonaro. Foto: Alan Santos

médio dos pedágios no Anel de Integração é de R$ 13 a cada 100 km. Esse valor, defende a Fiep, pode ser reduzido em 50%. Portanto, o valor pago a título de outorga não pode pressionar a tarifa para valores muito maiores do que R$ 7 por 100 km.

O segundo cuidado é carimbar os recursos oriundos da outorga. Esse dinheiro não pode ir para o caixa único do estado, sob risco de ser utilizado para despesas de custeio que não têm relação com a infraestrutura rodoviária. O ideal é que seja criado um fundo para aplicação em rodovias e que os recursos fiquem na região onde foram captados.

O último cuidado necessário para o bom funcionamento do modelo é criação de conselho de usuários que irá eleger prioridades de investimentos nas rodovias.

Cronograma apertado

Apesar de a concessão atual vencer apenas em 2021, Mohr sustenta que a licitação deve começar já. Segundo ele, neste primeiro ano de governo deverão ser feitos os projetos de engenharia que darão subsídio ao edital. Na sequência devem ser definidas as regras e elaborado o edital de licitação. Cumprida essa etapa, o governo deve fazer missões internacionais para atrair concorrentes estrangeiros. Por fim, há que se dar um tempo para que os interessados avaliem a proposta do governo e entrem na disputa.

Mohr alerta ainda para a importância de que seja deixado um período de cerca de dez meses antes do vencimento dos atuais contratos para que possam ser resolvidas as disputas judiciais que naturalmente decorrem desse tipo de processo.

Nova trincheira Pinhais/Colombo começa a funcionar nesta segunda. Veja a mudança!

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

16 Comentários em "Presidente Jair Bolsonaro irá decidir sobre mudanças nos pedágios do Paraná"


REINALDO  .
REINALDO .
6 meses 6 dias atrás

Este sujeito fez coisas boas, mas se apossou de uma fortuna incalculável. Incluindo sua gangue

Nero Psicofezico
Nero Psicofezico
6 meses 6 dias atrás

Lerner armou a maior maracutaia com os pedagios o que lhe garantiu e aos seus descebentes uma aposentadoria milionaria. Roubou vergonhosamente o Estado e a populacao. Isso nao pode ficar nas maos do governo estadual pois a coisa pode continuar do jeito que esta.

Mario Quisero
Mario Quisero
6 meses 7 dias atrás

não sei se esse tal de lerner ainda está vivo, mas com certeza ele e mais alguns do governo que deram essa concessão escandalosa para essas empreiteiras estão embolsando propinas até hoje essa é a rotina dos políticos e empresários corruptos brasileiros

Mário
Mário
6 meses 6 dias atrás

Sim , está com 81 anos de idade . O paradeiro e ali no juvevê , na altura da Rocha pombo , aonde costuma almoçar de Uber nos restaurantes ali das proximidades .
Por causa do BRT , lerner é cultuado . Mas esquecem-se do rombo que causou

Vosso Rei
Vosso Rei
6 meses 7 dias atrás

O pedágio para as praias é um roubo, o tempo de concessão já acabou, e na surdina
Foi prorrogado, nem Bolsonaro.. nem Deus nem o diabo vai conseguir livrar o povo paranaense dessa desgraça que o Lerner deu de “presente” o nosso estado.

Mário
Mário
6 meses 7 dias atrás

Em apenas um ano , foi de 1.70 para 2.30 , isso na br que liga pr ao litoral de sc

Mário
Mário
6 meses 7 dias atrás

Se já acha isso um roubo e que nunca viu os pedágios da rodovia que liga o pr ao interior de sp. 170 reais de pedágio

Fernando José Nunes
Fernando José Nunes
6 meses 7 dias atrás

Por que será que dá medo dessas negociaçoes. A Arteris que cuida da 376 cobra 2,70 por praça, até Camboriú custa 8,10 e eles querem um valor minimo de 7,00 a cada 100km, se for assim o valor até Camboriú custará no minimo 14,00. Será que o Paraná fará que os pedágio se tornem em novas emboscadas?

MAIOR DO ESTADO
MAIOR DO ESTADO
6 meses 7 dias atrás

o contrato da arteris é diferente… na 116 pra são paulo também é 2,70 só que a estrada é um lixo.. Parece que era ate melhor quando não tinha pedágio…

Denival Jeter Guimarães
Denival Jeter Guimarães
6 meses 6 dias atrás

Ah! E a 277 pra Paranaguá é ótima né?? kkk Parece piada…. Os caras pegaram a estrada pronta, duplicada e cobram um valor exorbitante pra fazer quase nada. Deveriam perder a concessão na hora e todos irem pra cadeia. Acabaram com o estado, roubaram por mais de 20 anos e agora querem prorrogar, vtnc

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas