Foto: Lucimar do Carmo

Nilson dos Santos: reajuste muito baixo.

Ontem, os trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) no Paraná decidiram pela paralisação das atividades por 24 horas, para reivindicar melhores condições de trabalho. A categoria exige reposição salarial de 47,77% mais benefícios, como redução da jornada de trabalho e contratação de funcionários concursados para ocupar vagas terceirizadas.

A proposta da direção dos Correios foi rejeitada, ontem, em assembléia promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores nos Correios do Paraná (Sintcom-PR), em Curitiba. ?O reajuste de 3,75% proposto pela empresa é muito baixo, além de retirar direitos dos trabalhadores?, disse o secretário-geral do Sintcom-PR, Nilson dos Santos. Segundo o representante da categoria, os funcionários que forem contratados a partir de agora não receberão mais o adicional após um ano de trabalho, e sim depois de cinco anos na empresa. Outros avanços reivindicados, como na cesta básica e no vale-alimentação, também foram considerados pequenos.

Na capital, após a assembléia, os funcionários participaram de passeata até o prédio central dos Correios. Assembléias também ocorreram em Cascavel, Londrina, Maringá e Ponta Grossa.

A negociação sobre aumento de salário e benefícios solicitados pelos funcionários está sendo discutida em Brasília. A data-limite para acordo com a direção dos Correios é 12 de setembro. Se até lá sindicato e empresa não entrarem em um consenso, os trabalhadores podem entrar em greve sem data prevista para término. Em todo o Estado, são cerca de 6 mil trabalhadores da ECT.