Os números comprovam que a vinda do UFC foi um excelente negócio para Curitiba. Levantamento coordenado pelo professor José Manoel Gândara, do Departamento de Turismo da Universidade Federal do Paraná (UFPR) a pedido da prefeitura, mostra que praticamente metade do público de 42 mil pessoas que foi à Arena da Baixada sábado (14) era de fora da cidade (43%) e despejou R$ 45,2 milhões na economia da cidade sem praticamente nenhum gasto do poder público.

O valor injetado pelo UFC sozinho na economia curitibana representa 13% do total investido para a reforma do estádio do Atlético: 346,2 milhões. Do total de R$ 45,2 milhões, R$ 22,2 milhões foram gastos diretamente pelos fãs de MMA em hospedagem, alimentação, transporte e compras. Já o impacto indireto na economia – com fornecedores de hotéis e restaurantes, por exemplo – foi de R$ 22,9 milhões.

“O turista que veio para o UFC nos interessa muito porque movimenta consideravelmente a economia da cidade”, afirma Gândara, que participará de levantamento semelhante do impacto dos J ogos Olímpicos na economia do Rio de Janeiro.

Em termos comparativos, o professor da UFPR afirma que o turista do UFC Curitiba gastou praticamente o mesmo que o da Copa no Rio de Janeiro e quase três vezes mais do que o do Rock in Rio de 2013 – levantamentos que tiveram a mesma metodologia do feito com os torcedores no estádio do Atlético.

No UFC de Curitiba, o turista nacional gastou, em média por dia, R$ 352, enquanto que o turista estrangeiro gastou R$ 681. Já na Copa os turistas brasileiros que foram ao Rio gastaram R$ 417 e os estrangeiros R$ 717. No Rock in Rio de três anos trás os gatos foram de R$ 156 para os turistas brasileiros e R$ 259 para os estrangeiros.

A pesquisa ouviu 385 torcedores que estavam no UFC da Arena e que se hospedaram no mínimo um dia em Curitiba – o percentual de erro é de 2% para cima e para baixo. Desse total, 90,9% dos turistas vieram exclusivamente para as lutas e a maioria, 35,5%, veio pela primeira vez à cidade.

Quando perguntados se retornariam em outra edição do UFC, quase todos, 97%, afirmaram que voltariam. Além disso, quase todos também recomendariam a vinda para a capital paranaense em outro evento do UFC: 98,5%. “Isso é muito bom. Mostra que os turistas ficaram satisfeitos com a cidade”, aponta Gândara.

O levantamento, chamado “Impacto Econômico do evento UFC no destino turístico Curitiba”, mostra que a maior parte dos turistas que assistiram ao UFC veio do interior do Paraná: 28,6%. Paulistas (23,5%) e catarinenses (18,4%) vieram em segundo e terceiro lugar. Já do Rio Grande do Sul vieram apenas 5,6% dos torcedores. “Esperávamos mais gaúchos no UFC pelo Fabricio Werdum”, afirma Gândara em relação ao lutador gaúcho que perdeu o cinturão do peso pesado para o americano Stipe Miocic. Já os estrangeiros foram apenas 2,6% do total.