enkontra.com
Fechar busca

Paraná

Corrupção

Delação de Fanini promete complicar de vez família Richa e cúpula política do PR

  • Por Giulia Fontes - Gazeta do Povo
Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo

O ex-diretor de Engenharia da Secretaria de Educação do Paraná (Seed) Maurício Fanini assinou nesta quinta-feira (29) os termos de um acordo de colaboração premiada com o Ministério Público do Paraná (MP-PR). Entretanto, o teor da proposta de delação apresentada por Fanini já havia sido revelado em junho. Agora, o acordo ainda precisa ser homologado pela Justiça.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Nos documentos, Fanini implica membros da cúpula política do Paraná no esquema investigado pela Operação Quadro Negro. Segundo as investigações, a Seed liberava o pagamento pelas obras em escolas estaduais a partir de medições fraudulentas, que apontavam que as construções estavam em estágios bem mais avançados do que efetivamente se encontravam. Pelo menos R$ 30 milhões teriam sido desviados dessa forma.

1. Interferência nas investigações

Segundo a delação, o ex-governador Beto Richa (PSDB) teria interferido nas investigações da Quadro Negro ao pedir que Fanini apagasse mensagens e fotos que tinha com ele. Segundo o ex-diretor da Seed, o próprio Richa teria dito que apagou conversas e imagens não só com Fanini, mas também com Luiz Abi, parente do tucano.

Além disso, o ex-diretor teria sido avisado de que seria preso, em 2015, pelo então procurador-geral do estado, Sérgio Botto de Larcerda. O ex-procurador também teria orientado o delator a apagar provas. Na época, o ex-procurador negou e afirmou que já esclareceu o assunto ao MP-PR.

Mais uma interferência de Richa teria sido realizada em outro caso. Segundo Fanini, Richa teria nomeado Ezequias Moreira como secretário especial de Cerimonial e Relações Internacionais para protegê-lo da Justiça. Ezequias era acusado de desviar dinheiro da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Ele acabou condenado pelo Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), mas não cumpriu pena porque o crime prescreveu.

O ex-governador também teria sido avisado da prisão de Luiz Abi na Operação Publicano, que investiga desvios na Receita Estadual. Richa nega as acusações (veja abaixo a íntegra da nota mais recente enviada pelo ex-governador).

2. Campanha e viagens

Ainda de acordo com o ex-diretor, Beto Richa não apenas sabia dos desvios como o procurava diretamente para tratar do assunto. O ex-governador teria pedido pessoalmente que Fanini arrecadasse dinheiro para a campanha de 2014 junto às empresas envolvidas no esquema. Segundo o ex-diretor, a prestação de contas sobre a propina arrecadada nos contratos da Seed era feita diretamente com o tucano.

Outra parte dos recursos teria sido destinada a viagens realizadas por Richa e sua mulher, Fernanda, com o ex-diretor e outros amigos. Empresários que tinham contratos com o governo teriam, segundo o delator, arcado com as despesas de viagens para os EUA e para o Caribe. O ex-governador negou as acusações e afirmou que Fanini é um réu confesso que apresenta declarações falsas (veja abaixo).

Maurício Fanini promete implicar alta cúpula política do Paraná. Foto: Reprodução

Maurício Fanini promete implicar alta cúpula política do Paraná. Foto: Reprodução

3. O apartamento de Marcello Richa

Um dos filhos do ex-governador, Marcello Richa (PSDB) também teria sido beneficiado pelo esquema – e não só com dinheiro para a campanha eleitoral. Segundo Fanini, ele teria recebido R$ 500 mil para a compra de um apartamento em Curitiba. O pedido do dinheiro teria sido intermediado por Luiz Abi, primo de Richa.

Marcello, que foi candidato a deputado estadual em 2018 mas não foi eleito, disse à época que as suposições de Fanini eram inverídicas, e que possui toda a documentação referente à compra do apartamento, comprovando a legalidade da transação. Disse, ainda, que o ex-diretor é um criminoso confesso e que tenta se beneficiar, por meio de uma delação premiada, com afirmações falsas e desprovidas de provas.

O primo do ex-governador também negou as acusações, dizendo que as afirmações são mentirosas.

4. O papel da primeira-dama

Fernanda Richa, de acordo com Fanini, teria proximidade com o ex-diretor e com a sua mulher, Betina. Em conversas de WhatsApp, Fernanda teria pedido dinheiro e agradecido pela liberação dos R$ 500 mil para a compra do apartamento para Marcello Richa. Além disso, a então primeira-dama teria pedido – e recebido – US$ 1 mil para uma viagem de outro filho do casal, André, para Machu Pichu, no Peru.

A defesa de Fernanda também negou as acusações, por meio de nota.

5. Dinheiro para aditivos veio da Alep

Segundo o ex-diretor, deputados estaduais do Paraná também estariam envolvidos no esquema. Na proposta de delação, Fanini citou o presidente da Assembleia Legislativa, Ademar Traiano (PSDB), que teria recebido R$ 250 mil de dois empreiteiros que prestaram serviços à Seed. A entrega do dinheiro teria sido feita na sede do PSDB estadual em 2014, no anúncio de Cida Borghetti (PP) como vice na chapa de Beto Richa. Na época da revelação da delação, o deputado afirmou que Fanini estava terceirizando suas ações “de forma criminosa” e que estava tomando medidas jurídicas para processar o ex-diretor da Seed.

Outro deputado implicado por Fanini é Plauto Miró (DEM), primeiro-secretário da Alep, que teria tratado de aditivos em obras da Valor Construtora em 2014. Segundo o delator, o parlamentar teria dito que “havia disponibilidade” do Legislativo em economizar recursos para bancar os aditivos nas obras. Em nota, Plauto afirmou que a delação é inverídica e que nunca tinha tratado desses assuntos com qualquer pessoa.

Ainda na Alep, o esquema teria beneficiado Tiago Amaral (PSB), filho do presidente do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR), Durval Amaral. Ele teria recebido R$ 50 mil para a campanha eleitoral de 2014 da Valor Construtora em caixa 2. Traiano e Plauto também teriam sido beneficiados, com R$ 400 mil e R$ 600 mil, respectivamente. Na época, o parlamentar afirmou que não havia qualquer prova de que ele estava envolvido no esquema. Os outros deputados e o conselheiro do TCE-PR também repudiaram as acusações. Durval Amaral disse que o tribunal não teve interferência na concessão de aditivos.

Por fim,  Fanini também citou um deputado federal, Valdir Rossoni (PSDB). Enquanto era presidente da Alep, Rossoni teria viabilizado que a Valor Construtora realizasse obras da Seed em troca de R$ 200 mil em propina para as eleições municipais em 2012. Antes disso, Rossoni já teria conseguido que a construtora realizasse obras em Bituruna, seu reduto eleitoral, sem que tivesse o acervo técnico necessário. O deputado afirmou que nunca conversou com Fanini sobre recursos economizados pela Assembleia e que não recebeu doações de caixa 2. “Quero provas. Esse ônus cabe a ele”, disse.

Veja a nota enviada pela assessoria do ex-governador Beto Richa:

As declarações do réu confesso Maurício Fanini são totalmente inverídicas, em suas referências ao ex-governador Beto Richa e à sua esposa Fernanda Richa. Desde setembro de 2017, Fanini vem tentando obter os benefícios de uma delação junto à PGR, que se negou a celebrar acordo diante da ausência total de fundamentos em suas declarações falsas, construindo versões mentirosas e que mudam a cada depoimento.

Trata-se, apenas, de mais uma vã tentativa de transferir a responsabilidade pelos crimes por ele próprio praticados e já confessados. O início das apurações se deu mediante ordem do então governador Beto Richa, ao tomar ciência das irregularidades, em março de 2015, que resultaram na prisão de Fanini pela Polícia Civil do Paraná, em julho de 2015.

Ventos em Itaperuçu ultrapassaram os 100 km/h. Mas foi tornado mesmo? Entenda

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

26 Comentários em "Delação de Fanini promete complicar de vez família Richa e cúpula política do PR"


Golpista Veste Toga Sócio Youssef
Golpista Veste Toga Sócio Youssef
14 dias 15 horas atrás

Quem não sabe que o playboy é bandido desde o tempo do Lerner, Tanocuche e da venda do Banestado? Sabiam e votavam nele mesmo assim Só tenham o cuidado de apresentar as provas e manter o delator vivo.

Cláudio
Cláudio
15 dias 2 horas atrás

É verdade esse bilete?

REINALDO  .
REINALDO .
15 dias 2 horas atrás

Sem comentário sobre este escroto da corrupção, parabéns ao Fanini, mostre dignidade, já que está complicado, mostre as autoridades as arte manhas das propinas.

Falou Tomou
Falou Tomou
15 dias 6 horas atrás

Nessa “mentistória” do Fanini não precisa gastar tempo refletindo, perdeu o emprego porque é incompetente e precisa por a culpa em alguém. O londrinense, Sr.Carlos Alberto Richa nasceu em berço de ouro e nunca precisou sair roubando como este ex-diretorzinho está dizendo!!

Carlos Alberto
Carlos Alberto
15 dias 2 horas atrás

Hã?

Falou Tomou
Falou Tomou
14 dias 13 horas atrás

Carlos Alberto leitor da Tribuna estou me referindo ao ex-governador e esse seu “Hã?” me parece que seu pai não tem um currículo como o do pai do Beto Richa. O falecido Sr. José Richa
já foi prefeito, deputado federal e senador neste estado e no Brasil….

Golpista Veste Toga Sócio Youssef
Golpista Veste Toga Sócio Youssef
14 dias 4 horas atrás

Operação Maluco. (tem no google). Caso Brasilenvest: 5 milhões de .dólares do Banestado um mês antes no banco katabum… Richebiter e Garanhão no rolo. Esse não deu em nada.

Falou Tomou
Falou Tomou
14 dias 13 horas atrás

Então estou convicto de que Beto Richa já era rico quando entrou para a política e essa alarde todo é porque acabou com a festa de Roberto Requião assim como de outros candidatos a outros cargos políticos exercidos por ele anteriormente….

Falou Tomou
Falou Tomou
14 dias 13 horas atrás

Então digo que sem Beto Richa o Paraná estaria bem pior!!
Alguém já se perguntou ou já está esclarecido de o porque do Sr. Lula ex-presidente está detido e preso na capital do nosso estado???? Eu não acredito em destino e coincidência!!

Falou Tomou
Falou Tomou
14 dias 13 horas atrás

Se tivessem levado e deixado preso o ex-presidente Lula noutro estado qualquer deste país, não haveria este tipo de acusação ao Sr. Beto Richa. Alguém já se perguntou exatamente porque Lula está detido na capital do nosso estado??

Golpista Veste Toga Sócio Youssef
Golpista Veste Toga Sócio Youssef
14 dias 4 horas atrás

Hã?

Walter Silvério
Walter Silvério
15 dias 7 horas atrás

O beto tico tico é o político mais zonesto do Paraná!

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas