Um caminhão tombou ontem no quilômetro 669 da BR-376, proporcionando o vazamento de 25 mil litros de óleo diesel. O presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Rasca Rodrigues, informou que o produto foi contido e não há riscos de atingir o Rio São Joãozinho, afluente do Rio São João. De acordo com a Sanepar, não se trata de manancial de abastecimento.

O acidente ocorreu às 9h20 e causou uma fila de 10 quilômetros no sentido Paraná-Santa Catarina. O tráfego foi liberado, mas trabalhos de limpeza continuaram durante a noite e a previsão era de que só terminassem hoje por volta do meio-dia.

O óleo se esparramou na pista e atingiu as canaletas que ficam no acostamento. O material, no entanto, foi contido e a possibilidade de atingir o rio que fica a dois quilômetros do local do acidente foi descartada. A empresa de Joinville que fazia o transporte, TRR Gricopel, contratou outra empresa para fazer o transbordo e a sucção do óleo. O trabalho ficou prejudicado porque um dos caminhões que seriam usados ficou preso em outro acidente na rodovia.

Técnicos do IAP acompanharam todo o trabalho de limpeza, avaliando os danos causados ao meio ambiente. O produto atingiu parte do solo. Os laudos vão levar até 25 dias para ficar prontos. Rasca acha que a empresa não tinha um plano de ação em caso de acidente, tanto que contratou de última hora uma empresa para atuar na remoção da carga. “Se isso se confirmar, será mais um agravante”, adiantou. A multa para danos ambientais varia entre R$ 500 mil e R$ 50 milhões.

Outro acidente

No início do mês houve outro acidente envolvendo carga perigosa no Paraná. Um caminhão que transportava amônia tombou na BR-116. Mesmo assim, Rasca avalia que os números no Estado são positivos. Ele diz que, devido a aplicação da lei, conseguiu-se reduzir o número de acidentes. Segundo ele, ano passado, ocorreram em média dois acidentes por semana, baixando agora para um.

Segundo o policial rodoviário federal, Cláudio Bezulinski, o congestionamento chegou a 10 quilômetros. Além do acidente, as obras que estão sendo realizadas no Viaduto da Santa ajudaram a deixar o trânsito lento. Para liberar a pista foi jogado cal, que facilitou a remoção do produto.