Rio – As negociações para libertar as 24 pessoas feitas reféns, durante rebelião na Casa de Custódia de Benfica, no Rio, foram retomadas por volta das oito horas da manhã de hoje. O subsecretário estadual de Direitos Humanos, Paulo Bahia, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Geraldo Moreira, e negociadores da Secretaria de Segurança estão conversando com presos para tentar acabar com a rebelião, que já dura mais de 24 horas.

Dois reféns foram soltos no fim da tarde de ontem. Eles foram trocados por socorro médico para cinco detentos que foram feridos na rebelião, que teve início por volta das 6h30 de ontem (29). A Secretaria de Segurança informou que 17 presos conseguiram fugir, mas três foram recapturados.

Os presos colocaram fogo em colchões e lençóis e destruíram parte das instalações do prédio, inaugurado no mês passado. Dentro da unidade, os detentos estavam armados com fuzil AK-47, de fabricação russa, e atacavam os policiais que estavam nas guaritas. Eles receberam cobertura de bandidos que estavam do lado de fora da Casa de Custódia e de traficantes da favela do Arará, vizinha ao prédio.

Na Casa de Custódia de Benfica, também funciona o Ponto Zero, onde estão detidos o
ex-deputado Sérgio Naya e outros presos com curso superior, como o ex-fiscal de rendas Rodrigo Silverinha. No momento da fuga, 900 presos estavam na Casa de Custódia, que tem capacidade para abrigar 1.310 internos.