Um grupo de rebeldes suspeitos de envolvimento no ataque de 11 de fevereiro contra o primeiro-ministro do Timor Leste, Xanana Gusmão, renderam-se ás autoridades nesta terça-feira (29). Segundo o lugar-tenente Fernando Gausege, o comandante rebelde Gastau Salsinha e mais 11 homens, suspeitos de terem executado o atentado contra Gusmão, renderam-se e entregaram armas automáticas e munições.

Xanana Gusmão escapou ileso da tentativa de assassinato, mas o presidente José Ramos-Horta, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz, quase morreu em outro ataque. Ramos-Horta, que retornou ao país semana passada depois de recuperar-se dos ferimentos na Austrália, recebeu os rebeldes no Palácio Presidencial. "Eu estou feliz que nossos filhos tenham retornado a Díli e entregue suas armas", disse ele à imprensa.