Violentos confrontos começaram nesta sexta-feira (19) na Somália após insurgentes lançarem morteiros contra um avião cargueiro da União Africana. Os rebeldes haviam ameaçado atacar qualquer aeronave que utilizasse o principal aeroporto da capital Mogadíscio, informaram funcionários do setor. Segundo Eydurus Sheik, que trabalha na imigração, a avião pousou em segurança e não sofreu danos. Porém, horas depois começaram os choques entre as forças do governo e militantes islâmicos, relataram testemunhas.

O morador da capital do país Said Nur Farah disse que ao menos sete pessoas morreram, inclusive seu irmão. “Nós encontramos o corpo dele sob uma árvore”, afirmou. “Ele estava falando com amigos quando o explosivo caiu.” Os insurgentes islâmicos buscam tomar o controle do país. A União Africana tem 2 mil mantenedores de paz em território somali, que apóiam as forças governamentais.

Os insurgentes islâmicos lutam pelo controle de várias partes do país com o governo local, que é apoiado pelas Organização das Nações Unidas (ONU) e conta com a ajuda de tropas etíopes. Os confrontos ocorrem desde a expulsão dos islamitas da capital, em dezembro de 2006. No entanto, a Somália, uma das nações mais pobres do mundo, não tem um governo que controla de fato o país desde 1991. Naquele ano, o ditador Mohammed Siad Barre foi derrubado por senhores de guerra, baseados em alianças de clãs. Em seguida, esses clãs começaram conflitos entre si.