O Canadá descarta por completo a hipótese de seguir os Estados Unidos na expansão dos ataques aéreos contra o grupo Estado Islâmico na Síria. A informação foi dada pelo ministro de Relações Exteriores John Baird em entrevista à Associated Press.

Baird afirmou que o apoio aos Estados Unidos ficará restrito ao Iraque por enquanto. Ele disse ainda que o Canadá tem a obrigação de contribuir com a campanha de bombardeios aéreos liderada pelos Estados Unidos porque o grupo extremista atraiu combatentes canadenses para suas fileiras.

“Neste momento, estamos concentrados na missão atual, vamos nos manter no Iraque”, declarou.

Aeronaves canadenses lançaram seus primeiros ataques contra militantes este mês, com ataques próximos da cidade de Falluja.

Em outubro, o parlamento canadense aprovou até seis meses de ataques aéreos depois de um pedido dos EUA. A moção explicitamente citava que nenhuma tropa terrestre poderia ser usada nas operações.

De acordo com Baird, mais de 145 canadenses pegaram em armas com o Estado Islâmico e outras organizações extremistas. De acordo com ele, isso “nos compele a aceitar nossa responsabilidade” em trabalhar para derrotá-los. Fonte: Associated Press.