Mais de um milhão de eleitores estão com os títulos de eleitores irregulares, para as eleições deste ano. Até agora, 1.030 municípios brasileiros passaram pela revisão anual de cadastro de eleitores do Tribunal Superior Eleitoral. Desde o ano passado foram cancelados 1.022.532 títulos. A revisão vai até 5 de junho, mas o prazo para os eleitores irregulares corrigirem a situação já acabou.

Para o corregedor-geral do TSE, ministro Francisco Peçanha Martins, a quantidade de títulos irregulares não assusta: ?Dentro do nosso eleitorado, é um número bem razoável?.

Ele explica que quando o eleitor muda de domicílio e não pede o cancelamento do título da cidade de origem, tem o título cancelado. Este é o principal motivo para que estejam inválidos agora. Esses eleitores irregulares não podem mais consertar o erro e votar nas eleições municipais de 3 de outubro. ?Mas eles terão sempre a possibilidade de justificativas, se for o caso. Se tiverem uma motivação justa eles serão, inclusive, isentos de multa e penalidades?, explica.

Além de não poder votar, receber salário, pegar empréstimo junto a instituições públicas nem participar de concurso público, esses eleitores vão ter que pagar multa. De acordo com Martins, esta varia entre R$ 3 e R$ 30.

No ano passado, foram cancelados 1,9 milhão de títulos em todo o Brasil, e em 2001, cerca de dois milhões.