O ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, afirmou hoje que o governo deverá anunciar nos próximos dois meses a retomada da construção da usina nuclear Angra 3. "O presidente Lula está examinando o assunto e vai anunciar em breve a decisão", disse. A expectativa em torno do anúncio aumentou desde fevereiro, quando uma delegação de diplomatas e empresários franceses visitou as instalações da Eletronuclear em Angra dos Reis (RJ). A empresa francesa Areva tem contrato assinado para fornecer equipamentos para Angra 3.

Sérgio Rezende negou que este novo prazo prejudique o andamento do projeto. "Atrasados nós estamos há 25 anos", ironizou, referindo-se à interrupção do programa nuclear brasileiro. "Com a escalada dos preços do petróleo e o aquecimento global, todos os países estão se voltando para a energia nuclear renovável, que é hoje é muito mais segura e sequer produz rejeitos", defendeu. No Brasil, entretanto, a tecnologia usada é de enriquecimento de urânio, fonte de energia não-renovável. De 2005 para 2006, a oferta de energia a partir de usinas nucleares foi a que mais cresceu no País (39%).

Segundo ele, o Ministério da Ciência e Tecnologia se prepara para "dominar inteiramente" o ciclo de produção de urânio e tratamento de rejeitos. Hoje, o País ainda depende do Canadá para processar o yellow cake (óxido de urânio). O investimento para construção de Angra 3 é estimado em R$ 550 milhões, previsto para ser desembolsado até 2010. No governo, além da Ciência e Tecnologia, o Ministério das Minas e Energia defende a retomada de Angra 3 – proposta que não conta, entretanto, com o apoio do Ministério do Meio Ambiente.