As suspeitas de existência de recursos ilegais no futebol chegaram à Fifa, que resolveu convocar reunião extraordinária para a manhã desta terça-feira, em Zurique, para discutir o tema. Dirigentes da entidade e da Uefa (União Européia de Futebol) estão cada vez mais desconfiados de que o esporte é usado para lavagem de dinheiro e prometem fechar o cerco para quem investe de forma estranha.

O texto da pauta entregue aos convocados para o encontro usa tom irônico e demonstra a preocupação da Fifa. "Está havendo um golpe de sorte no mundo do futebol ou será que se trata simplesmente de lavagem de dinheiro da máfia russa?", indica o documento. A frase é clara. Ou o futebol vive período de sorte, em que há muita gente bilionária querendo investir fortunas sem se preocupar com o retorno – o que não é nada comum -, ou realmente há recursos suspeitos.

A Agência Estado apurou que a reunião foi solicitada por Lennart Johansson, presidente da Uefa. Ele foi prontamente atendido por Joseph Blatter, da Fifa, que comandará a discussão. Johansson está preocupado e vem debatendo o assunto com seus companheiros da Europa e da América do Sul. Acha estranho que alguns clubes recebam investimentos tão altos. Um caso é o do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, que vem contratando uma série de jogadores – muitos deles brasileiros.

Alguns nomes estão em pauta na conversa desta terça. E um deles é o de Kia Joorabchian, que comanda a parceria entre o Corinthians e a MSI. O iraniano é citado, por exemplo, como quem contratou Tevez para o clube paulista por US$ 22 milhões, o maior valor pago na história do futebol brasileiro. No texto, há a observação de que existem dúvidas sobre seu verdadeiro nome e que alguns órgãos no Brasil investigam a MSI. Boris Berezovski, magnata russo ligado a Kia, também aparece no documento. Um dos mais citados é Roman Abramovich, o dono do Chelsea, atual campeão inglês.

Integrantes da Fifa discutem a possibilidade de pedir a grupos de investimentos, como a MSI, que divulguem o nome dos investidores. Buscarão até amparo legal.

O encontro contará com alguns dos principais componentes da entidade que controla o futebol. Blatter convocou, além de Johansson, o presidente da AFA (Associação de Futebol da Argentina), Julio Grondona, o presidente da Real Federação Espanhola, Angel Villar, e o presidente da CBF, Ricardo Teixeira também vice-presidente do Comitê de Arbitragem da Fifa.