São Paulo  – Trabalhadores de quatro sindicatos (metalúrgicos, bancários, químicos e professores), todos ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT), preparam para hoje uma manifestação em favor da correção da tabela do Imposto de Renda (IR). Os sindicatos dos Metalúrgicos da região do Grande ABC e de Taubaté; Bancários de São Paulo, Osasco e região; Bancários e Químicos do ABC e a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo) informam que vão protestar contra o congelamento da tabela de cálculo do IRPF, prática iniciada na gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso e que só corrigiu a tabela uma vez em oito anos de governo (17,5% contra o IPCA acumulado na época de 45,8%).

Segundo os sindicalistas, de 1996 até março deste ano, a tabela está defasada em 55,3% – 39,5% herdados do governo FHC e 11,32% acumulados nos 15 meses do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O protesto de hoje será coordenado pelo presidente da CUT, Luiz Marinho, e pelo secretário-geral do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Luiz Cláudio Marcolino. Eles estarão concentrados, a partir das 6h30, no pátio da montadora Volks.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Lopez Feijó, e os presidentes dos sindicatos dos Químicos (Paulo Lage), Bancários do ABC (Vagner Castro) e Professores (Carlos Ramiro) também coordenam o evento, a partir das 6h30, do pátio da Daimler Chrysler.

De acordo com sindicalistas, os trabalhadores da Volks, Scania e os bancários de São Paulo ficarão juntos em um ponto da Via Anchieta e os trabalhadores da Mercedes-Benz, Ford Químicos, Bancários do ABC e Professores em outro ponto da rodovia.