Após quatro quedas consecutivas, a produção total de petróleo no Brasil voltou a crescer em maio, com aumento de 1,3% na comparação com o mês anterior, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Já a produção de gás natural se manteve em retração, de 1,3%, a quinta diminuição sequencial na mesma base de comparação.

Em relação a maio de 2014, houve aumento da produção total de petróleo e gás natural, quando alcançou aproximadamente 2,998 milhões de barris de óleo equivalente (boe) por dia, sendo 2,412 milhões de barris diários de petróleo e 93,1 milhões de metros cúbicos de gás natural. O aumento anual na produção de petróleo e de gás natural foi de 10,2%.

Já a produção da área do pré-sal, oriunda de 49 poços, somou 726,4 mil barris por dia (bbl/d) de petróleo e 26,9 milhões de metros cúbicos por dia (m3/d) de gás natural, totalizando 895,5 mil boe, um aumento de 1,2% em relação ao mês anterior.

A ANP informou ainda que o aproveitamento do gás natural foi de 96,6% em maio. A queima de gás natural somou 3,2 milhões de metros cúbicos por dia, uma redução de aproximadamente 12,5% em relação ao mês anterior e de 32,3% em relação a maio de 2014.

De acordo com a agência, cerca de 93% da produção de petróleo e gás natural foi proveniente de campos operados pela Petrobras. Aproximadamente 93,3% da produção de petróleo e 77,4% da produção de gás natural do Brasil foram extraídos de campos marítimos.

O campo de Roncador, na Bacia de Campos, foi novamente o de maior produção de petróleo, com uma média de 322,2 mil barris por dia, e o campo de Lula, na bacia de Santos, foi o maior produtor de gás natural, com uma produção média de 13,4 milhões de metros cúbicos por dia.

A plataforma P-52, localizada no campo de Roncador, produziu, por meio de 17 poços a ela interligados, cerca de 163,1 mil barris de óleo equivalente por dia e foi a plataforma com maior produção.