Na passagem de março para abril, os bens de consumo semi e não duráveis registraram recuo de 1,4% na produção, acumulando perda de 2,4% em dois meses consecutivos de queda. Os bens de consumo duráveis apresentaram redução de 0,5% no período, eliminando parte do crescimento de 3,1% observado em março. O setor produtor de bens intermediários ficou estável (0,0%), após ter recuado 0,8% em março, informou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com abril de 2011, houve queda generalizada no mês passado: bens intermediários recuaram 2,0%; bens duráveis caíram 6,1%; e bens semi e não duráveis encolheram 1,1%. No ano, os bens intermediários recuam 1,5%; os bens duráveis caem 0,3%; e os bens semi e não duráveis sobem 0,7%. Em 12 meses, a taxa para intermediários está em -0,6%; para duráveis, -6,1%; e semi e não duráveis, 0,1%.