Durante a assinatura do convênio de cooperação entre o Estado do Paraná e a Província de Quebec, o primeiro-ministro quebequense Jean Charest salientou que considera a missão paranaense no Canadá muito importante. “O Paraná é o principal Estado do Mercosul e vamos aproveitar os bons contatos que tivemos com a missão para transformar o Estado na porta de entrada dos nossos produtos no Brasil”, afirmou. O convênio foi firmado na quarta-feira (12).

Charest informou que o Canadá sofre uma extrema dependência comercial em relação aos EUA, e que considera a postura do Brasil ainda tímida na tentativa de conquistar o seu país como parceiro comercial. “Isso torna ainda mais importante a presença da missão aqui no Canadá. O Paraná, mais do que o Brasil, está desenvolvendo ações para romper essa timidez”, comemorou.

O governador Roberto Requião foi convidado pelo primeiro-ministro para retornar ao Canadá no próximo inverno. Requião retribuiu o convite convidando Charest para vir ao Paraná, também quando for inverno no Brasil. “O convite do primeiro-ministro reforça os laços de cooperação entre o Canadá e o Paraná”, disse Requião.

Requião sugeriu ao primeiro-ministro a criação de um escritório do Quebec no Paraná. “É uma forma de consolidar nossas relações com o Canadá”, disse Requião. Charest mostrou-se interessado na sugestão e lembrou que Requião já esteve no país no seu primeiro governo e foi responsável pela implantação de excelentes acordos, e convênios com o Canadá. “Um dos maiores resultados dessa missão é justamente a reaproximação do Paraná com o Canadá”, disse o primeiro-ministro.

India

A secretária do Planejamento e Coordenação Geral, Eleonora Bonato Fruet, recebeu ontem o presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Tecnologia Brasil-Índia, empresário Rômulo Thomé. O objetivo da reunião acompanhada pelos economistas Domingos de Gusmão Van Erven e Aloísio Carapito Raposo, do Centro de Cooperação Internacional da SEPL foi iniciar contatos para o estabelecimento de relações comerciais, industriais, tecnológicas e culturais entre os dois países.

O interesse do Brasil pela Índia não é recente e ficou mais evidente após a visita do presidente Lula àquele país, da qual também participou o governador Roberto Requião. De acordo com Thomé, os primeiros resultados já surgiram. Vários empresários indianos demonstraram interesse em investir no Brasil e, segundo o presidente da Câmara, um deles, do setor de fármacos, pensa em instalar um parque fabril no Paraná.