Um ano após o início dos efeitos mais graves da crise internacional no País, o comércio varejista exibe um nível de vendas recorde, com tendência de crescimento, segundo observou o técnico da coordenação de serviços e comercio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Reinaldo Pereira. “No último trimestre do ano passado, o comércio varejista ressentiu um pouco com a crise, com redução do nível de vendas. Depois, com as medidas do governo e o desempenho do mercado interno, hoje estamos até acima do patamar de vendas do início da crise”, afirmou Pereira.

Ele acrescentou que “o comércio neste momento está acima do nível (de vendas) da chegada da crise, estamos num momento bom, recuperamos os níveis pré-crise e, com a tendência de crescimento da economia, a tendência do varejo é melhorar, crescer”. Ainda de acordo com Pereira, a redução no ritmo de crescimento das vendas ante mês anterior (de 1,7% em junho para 0,5% em julho) “não significa uma tendência”. Segundo ele, o indicador ante mês anterior é de curtíssimo prazo e a tendência é mais clara no índice de média móvel trimestral, que mostrou aceleração no crescimento em julho.