Parque Tanguá: ponto de encontro.

Curitiba recebeu 1,5 milhão de turistas no ano passado. Esse volume foi 7% superior ao registrado em 2001 (1.418.838), segundo dados preliminares da diretoria de turismo da CIC (Companhia de Desenvolvimento de Curitiba). “É um crescimento significativo, já que outras cidades turísticas do Brasil não têm esse índice”, comemora Sérgio Maciura, gerente de desenvolvimento turístico da CIC. Comparado a 2000, quando passaram pela capital paranaense 1.053.939 visitantes, o aumento foi de 42%. “Nesse ano, esperamos crescer 5% em relação a 2002, chegando a 1,6 milhão de visitantes”, diz Maciura.

Na avaliação dele, a expansão do turismo em Curitiba em 2002 foi motivada por dois fatores: o aumento do turismo doméstico em função da retração do turismo internacional e ao trabalho de divulgação feito junto a operadores de turismo, agentes de viagens e imprensa especializada nas principais feiras do setor no País e no mundo. No ano passado, a capital paranaense foi considerada a melhor cidade sem praias do País pela votação de leitores de duas publicações especializadas, as revistas Próxima Viagem e Viagem & Turismo.

O movimento de turistas que vieram a Curitiba em 2002 foi quase o dobro de Foz do Iguaçu, que continua o principal destino de turismo de lazer do Paraná. “Desde o ano retrasado, Foz sofreu muita redução de turistas pela diminuição do número de argentinos”, aponta Maciura. “Curitiba tem um apelo muito forte, mesmo com a retração do turismo no mundo. Em função dos atentados, a cidade teve um acréscimo de visitantes”.

Dados da Infraero mostram que o movimento no Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, cresceu 6,91% em relação a 2001, passando de 2.578.485 para 2.756.552 de passageiros. No mesmo período, o número de visitantes da Torre Panorâmica aumentou 6,81%, de 58.253 para 67.207 turistas. Já a quantidade de atendimentos nos postos de informações turísticas e pelo Disque Turismo (que fornece programação cultural, de eventos e opções gastronômicas das 8h às meia-noite) saltou de 35 mil em 2001 para 38 mil, com ampliação de 8,5%.

Segundo estatística da Paraná Turismo, 97% dos turistas que vêm a Curitiba são brasileiros e apenas 3%, estrangeiros. Em 2001, 36% dos visitantes eram paranaenses, 25% paulistas e 15% catarinenses. Entre os turistas internacionais, a maioria veio dos Estados Unidos, Alemanha e Argentina. Com as jardineiras da linha Turismo, os visitantes podem conhecer 24 pontos turísticos da cidade. Outro fator que tem atraído os turistas são os circuitos rurais criados na Região Metropolitana.

Negócios

O turismo de negócios representa cerca de 50% do fluxo de turistas da capital do Paraná, enquanto a outra metade vem para lazer. “O turismo já é o maior negócio do mundo e com certeza é uma das grandes vocações da cidade de Curitiba. Por isso, o prefeito tem dado forte atenção ao setor, que é fonte de empregos e de recursos e impacta diretamente mais 52 setores da economia”, comenta Maciura. O prefeito Cássio Taniguchi prevê que o turismo, que hoje representa 5% do PIB municipal, alcance 7% de participação em 2004.

Curitiba é considerada a terceira melhor cidade do Brasil para realização de eventos, atrás de Rio de Janeiro e São Paulo. Mas ainda carece de um espaço para eventos de grande porte. Para reverter esse quadro, a Prefeitura está apoiando dois empreendimentos: o centro de convenções do Shopping Estação, com previsão de conclusão em 2004, e a reforma do ExpoTrade, em Pinhais, também na Região Metropolitana.

“O crescimento do turismo de negócios em Curitiba, na parte de eventos, é uma tendência, porque há várias empresas instaladas na Região Metropolitana e a cidade, conhecida pela qualidade de vida, dispõe de infra-estrutura para isso”, destaca Maciura. De 30 de março a 2 de abril, Curitiba sediará o 20.º Congresso Latino-Americano de Organizadores de Congressos e Eventos (Cocal), que reunirá participantes da América Latina e Europa.

Hotéis

A rede hoteleira de Curitiba tem mais de 14 mil leitos. Mais dez a doze hotéis devem entrar em operação na cidade ainda nesse ano. De 99 a 2002, houve um incremento de 16% no número de estabelecimentos classificados (a partir de três estrelas), que passaram de 81 para 94. “A indicação da revista Exame, pela terceira vez, como melhor cidade para negócios do Brasil, tem incentivado a vinda de empresas, que estão investindo em turismo e negócios”, comenta Maciura, salientando que “as maiores redes hoteleiras de bandeiras internacionais já estão presentes ou estão se instalando em Curitiba”.

“A rede hoteleira reclama que a taxa de ocupação não seria o ideal, mas o grande negócio agora é trabalhar na captação de turistas”, opina o gerente de desenvolvimento turístico da CIC. “O mercado parece saturado, mas existem estudos de viabilidade que apontam um mercado competitivo e promissor. Se as empresas estão vindo para cá, é porque acreditam”, conclui.