Aproximadamente 30% dos projetos enviados à Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) para a obtenção de recursos não-reembolsáveis não passam pela primeira fase de triagem porque apresentam algum tipo de problema. A estatística foi apresentada pelo analista de projetos da área de promoção institucional da Finep, Alexandre Cabral, durante o curso ?Elaboração de Projetos Finep?, nesta quarta-feira (22).

Realizado pelo Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), por meio do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), o curso teve como objetivo orientar empresários sobre os procedimentos necessários ao acesso a financiamentos de editais da Finep. ?Como os editais são muito específicos e detalhistas, muitas empresas acabam cometendo os mesmos erros. Entretanto, o maior deles é esperar o edital sair para elaborar um projeto?, disse Cabral.

Segundo o analista, os erros mais comuns são os de forma, como, por exemplo, esquecer de anexar documentos e cópias do projeto, não respeitar a data limite para envio dos formulários, não atentar às condições de elegibilidade (quem pode participar das chamadas) a aos valores de contrapartida mínimo.

Outra questão a ser verificada na hora de escrever o projeto é a adequação do mesmo aos objetivos da chamada, respeitando os objetivos e normas. ?Os projetos que passam pela triagem são avaliados qualitativamente, ou seja, são avaliados tanto o conteúdo do projeto quanto o texto em si?, afirmou Cabral, ressaltando que a Finep, quando apóia um projeto, espera como resultado a melhoria de produtividade e/ou qualidade de um processo / produto. ?A concorrência para obtenção de recursos é grande. Por isso é tão importante prestar atenção às normas e à qualidade e conteúdo do texto?, sugeriu.

O curso foi realizado em Curitiba e foi transmitido via teleconferência para as unidades do Sesi/Senai de 20 municípios. No total, perto de 400 pessoas participaram do evento. 

Apoio à inovação

Desde o ano passado, a Finep está realizando uma série de encontros e oficinas para mostrar aos empresários os instrumentos disponíveis para obtenção de recursos e orientar quanto aos procedimentos necessários ao fazer um projeto. ?A Finep quer ir onde a inovação está sendo feita, por isso este contato direto com as empresas. Para que possamos apoiar a inovação, é necessário que os empresários entrem em contato conosco e inscrevam projetos nas chamadas públicas disponíveis?, comenta Cabral.

No momento, está aberto o edital Finep/Sebrae, está selecionando projetos de inovação tecnológica a serem executados por micro e pequenas empresas inseridas em Arranjos Produtivos Locais (APLs). O objetivo da seleção é apoiar micro e pequenas empresas na implantação de inovações tecnológicas de produtos e/ou processos.

Os projetos serão financiados com recursos não reembolsáveis. No total, são R$ 26 milhões, sendo 50% provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Finep /Fundos Setoriais e os outros 50% do Sebrae. Para as propostas que atendam a propostas desenvolvidas em APLs serão destinados R$ 18 milhões.

Os R$ 8 milhões restantes destinam-se a projetos que atendam às prioridades estabelecidas na Política Industrial Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE), como aumento da competitividade das empresas pela inovação; semicondutores/microeletrônica, software, bens de capital, fármacos e medicamentos, biotecnologia; nanotecnologia; biomassa / energias renováveis.

Os formulários estão disponíveis no site da Finep (www.finep.gov.br) e o prazo para o envio das propostas é até 10 de outubro.