O crescimento do Produto Interno Bruto do Chile se acelerou no segundo trimestre de 2007, para 6,1%, no comparativo anual, de 5 8% no primeiro trimestre, de acordo com dados divulgados pelo Banco Central do país. Com os números, a expansão da economia chilena no primeiro semestre foi de 5,9%, em relação aos primeiros seis meses de 2006.

O setor de construção apresentou crescimento de 9,4% no ano, com a retomada dos projetos de engenharia, principalmente, nas áreas mineradoras e energia. O setor de telecomunicação avançou 14,5%, no segundo trimestre, repercutindo o dinamismo do setor de telefonia móvel. O Produto Interno Bruto (PIB) do grupo de eletricidade, água e gás caiu 10,7%, na comparação, em virtude da redução das exportações de gás natural da Argentina. A queda do fornecimento de gás argentino, associada à baixa dos níveis dos reservatórios de água, levaram as geradoras a procurarem fontes mais caras, como diesel, o que afetou o desempenho do setor.

A demanda doméstica chilena aumentou 7,4% no segundo trimestre, ante o mesmo período de 2006, acelerando-se ante a expansão de 6 4% do primeiro trimestre. A formação de capital bruto disparou 13,9% no segundo trimestre, após aumento de 8,7% no primeiro trimestre e de 2% no segundo trimestre de 2006. Por conta disso, a formação de capital bruto como fatia do Produto Interno Bruto caiu para 20,7% no segundo trimestre, de 21,4% no mesmo período do ano passado e 20,2% no primeiro trimestre. As informações são da Dow Jones.