Um total de 20 agências do banco Itaú Unibanco na região central da cidade permaneceram fechadas durante todo o expediente bancário de ontem, alinhadas ao Dia Nacional de Luta. A mobilização organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) foi motivada pela série de demissões registrada desde o início do ano em agências de todo o País. Em Curitiba, segundo dados do Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região, foram homologadas na entidade 100 demissões desde janeiro. Como algumas demissões são realizadas diretamente na Delegacia Regional do Trabalho (DRT), o número de funcionários demitidos do Itaú é ainda maior.

Outro ponto contestado pelo Sindicato é que 70% das demissões foram de funcionários admitidos entre 1985 e 1986, ou seja, que estão prestes a adquirir estabilidade de pré-aposentadoria, conforme prevê a Convenção Coletiva de Trabalho. O restante das demissões, de acordo com o dirigente sindical Alessandro Garcia, seria daqueles que não conseguem atingir as metas do banco e de bancários com deficiência, contratados pela cota que as agências têm que cumprir, para o setor CPSO (tecnológico), fechado recentemente.

Repúdio

Nas demais cidades do País, o Dia Nacional de Luta também repudiou situações de assédio moral, metas abusivas e condições precárias de saúde, segurança e trabalho. A assessoria de imprensa do Itaú disse que o banco não iria se pronunciar sobre as demissões e demais reclamações.