O mercado de câmbio operou durante todo o dia em queda, com a moeda norte-americana registrando sua menor cotação em relação ao real em seis anos. O dólar comercial, negociado no mercado interbancário, cedeu 0,54% e fechou em R$ 2,037, sua menor cotação desde 6 de março de 2001. Naquele dia, o preço de fechamento ficou em R$ 2,034. No pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros, o dólar negociado à vista perdeu 0,56%, para R$ 2,036, seu menor preço desde o início dos negócios com dólar neste mercado, que aconteceu em 1º de fevereiro de 2006.

O cenário externo positivo, com queda forte dos preços do petróleo, alta das Bolsas em Nova York e do dólar ante outras moedas, induziu ofertas de moeda no mercado à vista, que enfraqueceram ainda mais as cotações. Além disso, foi muito bem recebida no mercado a reabertura do Global 2017, com a emissão de até US$ 500 milhões em títulos em dólar. Por volta das 16h30, o risco Brasil operava na mínima histórica de 163 pontos-base (queda de 4 pontos) e se igualava à taxa de risco dos países emergentes. Em Nova York, o petróleo para maio caiu 1,97% e fechou a US$ 64,64 por barril, com a expectativa favorável de um desfecho diplomático para a questão entre Reino Unido e Irã.

A Bovespa subia 1,37% aos 46.225 pontos. Em Nova York, o Dow Jones subia 1,02% e o Nasdaq ganhava 1,18%