O delegado da Polícia Federal de Mato Grosso do Sul Aderson Vieira Leite explicou há pouco aos deputados da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico de Armas a operação de apreensão de armas ilegais em lojas do Paraguai. Segundo o delegado, as lojas Comando e Monte Líbano, localizadas em Pero Juan Cabalero, na fronteira com o estado, são os principais focos de origem das armas que entram no Brasil.

A ação da Polícia Federal, realizada em conjunto com a paraguaia, resultou na apreensão de 1,3 mil armas, que estavam dentro de uma camionete com placa de São Paulo. Segundo o delegado, a operação também levou à prisão de quatro integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) em São Paulo.

Apesar de terem loja no Paraguai, os proprietários são cidadãos brasileiros, com residência nos dois países.

O proprietário da loja Monte Líbano, Nadin Remun Haji, não compareceu ao depoimento na CPI e enviou um atestado médico. A CPI ainda vai ouvir nesta tarde o dono da loja de armas Comando, Alberto Dorneles Rodrigues, e o funcionário da Monte Líbano Amauri Carlos dos Santos.

Os depoimentos são tomados na sede da Polícia Federal.