Uma mulher de 28 anos em surto mobilizou equipes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar (PM) no bairro Tarumã, em Curitiba, na tarde desta terça-feira (10). Por volta das 14h, ela mantinha a própria mãe em cárcere privado no apartamento em que mora. Viaturas do Corpo de Bombeiros também foram ao local.

Sem avanço da Equipe de Negociação, a equipe do Comando de Operações Especiais (Cope) do Bope invadiu o apartamento no último andar do prédio de quatro andares. Antes, houve o estrondo de uma bomba sensorial lançada pelos policiais no apartamento para tirar a atenção da mulher no momento da invasão. Após ser rendida, a mulher foi encaminhada para o hospital por uma ambulância do Samu. A mãe dela não ficou ferida.

LEIA+ Suspeita de bomba isola praça no Centro de Curitiba

A ocorrência aconteceu em um prédio na Rua Gottlieb Rosenau, quase esquina com a Rua Maria Ficinsksa. O trânsito ficou bloqueado na região até por volta das 16h.

Mulher foi rendida pela PM e encaminhada ao hospital por ambulância do Samu. Foto: Alex Silveira / Tribuna do Paraná

De acordo com a PM, a mulher estava com a mãe no apartamento, enquanto se trancava em um quarto. A mulher portava armas brancas, entre elas uma faca e um taco de beisebol. Sete viaturas do Bope e outras duas da PM, além de dois caminhões dos Bombeiros, ficaram de prontidão na pracinha em frente ao prédio.

A confusão teria começado após uma discussão da mulher com a companheira dela. O tenente Romário Jonck, do 20.° Batalhão da PM, disse que o chamado para a ocorrência foi da própria mãe, que relatou o surto da filha.

“Quando chegamos, percebemos que a situação era mais grave do que parecia. Por isso, acionamos o Bope e os Bombeiros. Foram quase duas horas de negociação, para que a mulher se entregasse. Mas a equipe precisou intervir, até pela própria segurança dela”, informou Jonck.

Suspeita de bomba

No mesmo horário da ocorrência no prédio do Tarumã, o Esquadrão Antibomba do Bope atendia uma ocorrência de suspeita de bomba na Praça Eufrásio Correa, no Centro, em frente ao Shopping Estação. Ao verificar o artefato, a equipe constatou que não era um explosivo.