Após três dias e meio internado com covid-19, o prefeito de Curitiba e candidato à reeleição, Rafael Greca (DEM), recebeu alta no início da tarde desta quarta-feira (30) e deixou o Hospital Nossa Senhora das Graças, no bairro Mercês. Já a primeira-dama, Margarita Sansone, segue internada e respirando com auxílio de oxigênio, mas sem necessidade de intubação.

O prefeito e a esposa deram entrada no hospital no último domingo (27), após confirmação do diagnóstico da infecção pelo novo coronavírus. Os dois recebiam acompanhamento médico para tratar de uma pneumonia provocada pela doença. 

Segundo o último boletim médico, divulgado pela assessoria de imprensa por volta das 15h desta quarta-feira, Rafael Greca recebeu alta com plena recuperação. A primeira-dama, no entanto, permanece internada no quarto, sem febre. Conforme o boletim, assinado pelo infectologista Clovis Arns, ela respira “confortavelmente com oxigênio nasal”. Seu quadro clínico é estável, com boa evolução clínica.

“Deixo com muita alegria o Hospital Nossa Senhora das Graças completamente recuperado do covid-19. Meu médico, o valorozo dr. Clovis Arns da Cunha, é orgulho de Curitiba e reserva moral do Brasil na luta contra a pandemia. É um grande cientista e me botou em pé, em pouco tempo. Eu deixo confiada a ele a minha coisa mais preciosa, que é a minha Margarita, que em poucos dias vai voltar para mim”, disse Greca na saída do hospital. O prefeito também falou que confia plenamente nas equipes de saúde de Curitiba. 

O médico Clovis Arns se disse feliz com a recuperação do prefeito. “Ele está muito bem. Os exames de hoje mostram que a recuperação foi plena”, apontou Arns, que ressaltou a necessidade de um descanso para Greca nos próximos dias, por causa da pneumonia. “Como todo mundo que tem uma pneumonia, existe um período para ele voltar plenamente. Ele tem muita energia e eu pedi que, nesses próximos poucos dias, ele ficasse mais em casa. Mas ele está completamente recuperado”, relatou o médico. 

Sobre o estado de saúde da primeira-dama Margarita Sansone, Arns disse que a permanência dela no hospital ainda pode levar de sete a dez dias. “A situação dela foi um pouquinho mais grave, a ponto de precisar de oxigênio. E na média, pacientes que têm pneumonia e precisam de oxigênio, ficam de sete a dez dias internados, que é mais ou menos a perspectiva que a gente tem para ela”, finalizou o médico. 

O anúncio da contaminação de Greca e Margarita aconteceu domingo, dia em que Curitiba retornou à bandeira amarela, com regras mais flexíveis no protocolo municipal de prevenção ao coronavírus. Parques e praças da cidade estiveram cheios e com frequentadores deixando a proteção de lado.

O prefeito e Margarita já estavam em isolamento domiciliar, mas a equipe médica decidiu pela internação do casal no domingo para tratar a pneumonia. No primeiro boletim médico, no fim da noite de domingo, dizia que Greca e Margarita apresentavam evolução no quadro clínico. 

LEIA TAMBÉM – Governador de São Paulo anuncia vacinação de covid-19 a partir de dezembro

Quatro dias antes de ter a infecção confirmada, Greca anunciou que não participaria do primeiro debate de candidatos à prefeitura, na Band TV. O prefeito alegou que a emissora não cumpriria todas as regras do protocolo municipal de prevenção à covid-19, o que foi negado pela emissora. 

Histórico de internações

Esta é quarta vez que Greca é internado desde que assumiu a prefeitura de Curitiba em 2017. Um dia antes de assumir o cargo, o atual prefeito foi internado no Hospital Marcelino Champagnat, por causa de um coágulo numa artéria do pulmão, uma tromboembolia pulmonar. 

LEIA AINDA – Calor em excesso aumenta risco de infarto e derrame, alertam os médicos

Em dezembro de 2018, Greca ficou uma semana hospitalizado depois de uma cirurgia de emergência. Após uma indisposição alimentar, os médicos constataram a existência de uma hérnia umbilical estrangulada que prendia um pedaço do intestino delgado. 

Em 2019, o prefeito passou por uma cirurgia eletiva para corrigir a hérnia umbilical na parede abdominal.