enkontra.com
Fechar busca

Curitiba e Região

Saúde

Curitiba registra mais um caso de paciente com febre amarela, aponta boletim

  • Por Gazeta Do Povo
Imagem ilustrativa. Foto: NIAID/Agência Pública
Imagem ilustrativa. Foto: NIAID/Agência Pública

Boletim da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgado na quinta-feira (11) confirmou um novo caso de infecção por febre amarela em um morador de Curitiba. O paciente, um homem de 65 anos, contraiu a doença em Morretes, no Litoral do Paraná, área com o maior registro de infecções até agora, sendo, portanto, um caso importado da doença.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Com o registro, sobe para quatro o número de moradores de Curitiba infectados pelo vírus da febre amarela. Contudo, nenhum dos casos foi contraído dentro da cidade. Além de Morretes, os prováveis casos de infecção em curitibanos, segundo o boletim, ocorreram em Itaióca e Barra do Turvo, ambos em São Paulo, e São José dos Pinhais, município metropolitano da capital que entrou em estado de alerta na semana passada após detectar a morte de 21 macacos na região. O macaco não transmite a infecção, mas a morte destes animais indica a circulação do mosquito vetor da doença.

Até o momento, ainda conforme o informativo, já são 15 casos confirmados e 77 ocorrências em investigação em todo o Paraná. Outras 236 suspeitas já foram descartadas.

+Leia também: Sexta-feira Santa está chegando! Saiba onde e como escolher bem o seu peixe!

A recomendação da Sesa continua sendo a de que todas as pessoas tomem a vacina para prevenir a febre amarela, pois o vírus continua circulando no Estado.  A imunização vale principalmente para pessoas que residem em áreas de matas e rios ou que fazem atividades como trilhas, pesca e acampamentos rurais.

Quem for visitar esses locais, deve procurar a unidade de saúde mais próxima com no mínimo 10 dias de antecedência da viagem. Esse é o tempo necessário para garantir uma imunização eficaz.

A vacina é indicada para crianças a partir dos 9 meses e adultos até os 59 anos. Para gestantes, mulheres que amamentam, crianças até 9 meses de idade, adultos maiores de 60 anos, pessoas com alergia grave a ovo ou imunodeprimidos, a recomendação é que só sejam vacinados com a avaliação de um profissional de saúde.

Órgão que fiscalizava ações da Prefeitura, Ouvidoria do Município pode ser extinta

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas