O presidente interino do Senado, senador Tião Viana (PT-AC), informou nesta segunda-feira (3) que pedirá aos colegas que obedeçam a Constituição e não revelem seus votos sobre a cassação do presidente licenciado da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL). A votação do processo de suposta quebra de decoro parlamentar será realizada amanhã. A sessão será aberta, ao contrário do que ocorreu em setembro no julgamento da primeira representação contra Renan, mas a Constituição manda que os votos dos senadores sejam mantidos secretos.

Tião Viana evitou dizer se punirá ou não quem desobedecer a norma. O presidente interino quer ainda acertar procedimentos com os líderes dos partidos para não prolongar excessivamente a sessão de amanhã. "Que evitem o comportamento do discurso repetitivo apenas porque haverá a presença da imprensa em plenário", afirmou. "Ficar numa hora dessas querendo as luzes dos refletores não é muito elegante", disse Tião Viana.

A acusação contra Renan Calheiros será apresentada por um senador do DEM, partido autor da representação, provavelmente o senador Demóstenes Torres (GO). Renan, a princípio, deverá se encarregar de sua defesa. Nesse processo, ele é acusado de ter comprado duas emissoras de rádio e um jornal, em Alagoas, em nome de laranjas, em parceria com o usineiro João Lyra.