São

Paulo – O promotor do Meio Ambiente, Carlos Alberto Sal-les, que acompanha as investigações sobre o envenenamento de 61 animais no zoológico de São Paulo, afirmou que as últimas descobertas feitas pela polícia apontam para um crime doloso, com intenção de matar. O número de vítimas já chega a 66. A possibilidade de acidente foi praticamente descartada com a divulgação do último laudo”, disse Salles. Na opinião do promotor, se o envenenamento fosse acidental, a quantidade de veneno que teria chegado aos animais não seria suficiente para provocar mortes tão rápidas. Até agora, o número maior de vítimas está entre os porcos-espinhos, 42 mortes. Um laudo que deve ser divulgado ainda nesta semana pelo Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox) da Universidade Estadual Paulista (Unesp) sobre as vísceras de um dromedário, de um tamanduá-mirim, de um macaco-de-cheiro e de dois micos-leões de cara-dourada pode elevar para 66 o número de vítimas.