A TAM gastou até o momento R$ 8,9 milhões em ações de assistência aos familiares das vítimas do vôo 3054, quando 199 pessoas morreram no acidente com o Airbus da empresa, em 17 de julho, no aeroporto de Congonhas, São Paulo. O balanço foi divulgado pela empresa em seu site. Dentre os valores, a companhia alega já ter desembolsado R$ 2,7 milhões em adiantamento de indenizações, R$ 712 mil em pagamento de seguro, aproximadamente R$ 1,5 milhão em despesas de serviços funerários R$ 3,6 milhões em fornecimento de táxis e hospedagens e R$ 400 mil em reembolso de despesas gerais.

A companhia discriminou todos os gastos e mostrou que 91 famílias já receberam o valor de R$ 30 mil de indenização adiantada, e 48 famílias já aceitaram o valor de R$ 14.833,23 de seguro. A empresa não contabilizou em valores os gastos com as passagens aéreas emitidas aos familiares, a concessão de planos de saúde por dois anos, apoio na coleta de material genético para identificação das vítimas e aluguel de equipamentos de raios-X.

No informe, a TAM ainda faz uma comparação das suas ações em relação ao padrão internacional de assistência. De acordo com a companhia, todas as obrigações para com os familiares foram realizadas, na maioria dos casos, de maneira ainda superior àquela recomendada pelo padrão mundial.