O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou nesta quarta-feira (31) que estima em cerca de R$ 8 bilhões o volume de recursos envolvidos nas propostas apresentadas hoje pelo governo ao PSDB para convencer o partido oposicionista a apoiar a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) até 2011. Desse total, segundo o senador, R$ 4 bilhões se referem ao aumento de recursos para o setor da saúde em 2008, e outros R$ 4 bilhões são de desoneração tributária.

Ao final do encontro dos líderes do PSDB no Ministério da Fazenda, com o ministro Guido Mantega, Jucá afirmou que o governo está mais próximo de um acordo com o PSDB que permitirá a aprovação da emenda da CPMF em tempo de poder ser cobrada novamente a partir de janeiro de 2008. Segundo o líder, o governo formalizará na terça-feira o texto das propostas que apresentará aos oposicionistas.

Jucá destacou ainda que a proposta de se permitir que o valor pago a título de CPMF seja deduzido do Imposto de Renda e de se ampliar a isenção da contribuição para quem ganha até R$ 1.640 00 serão enviadas ao Congresso por meio de medida provisória.