Cuiabá – Agarrado a uma garrafa com dois litros de gasolina, um passageiro tentou ontem atear fogo no interior de um Boeing 737 da companhia brasileira Gol, quando o avião sobrevoava a região centro-oeste. O incidente aconteceu durante um vôo entre Cuiabá, em Mato Grosso, e Campo Grande, Mato Grosso do Sul. O passageiro, identificado como Clodovél Dantas Lacerda, também transportava formicida e um isqueiro a bordo do Boeing, que levava outras 75 pessoas. Em um determinado momento, Clodovel levantou-se de sua poltrona, caminhou em direção à cabina do piloto e anunciou que iria explodir o avião. Ele chegou a derramar gasolina no corredor, mas, antes que pudesse tentar acender o isqueiro, foi dominado por um comissário de bordo e alguns passageiros.

O avião seguiu viagem e pousou sem problemas em Campo Grande, onde Clodovel foi entregue a agentes da Polícia Federal. Em seu primeiro depoimento, o passageiro contou que queria desviar o avião e sobrevoar o Congresso Nacional, em Brasília, a fim de protestar contra o fato de, segundo alegou, ter trabalhado durante 50 anos, sem direito a aposentadoria. De acordo com um passageiro que viajava ao seu lado, Clodovel, de 58 anos, queria se suicidar e parecia estar embriagado.  Na polícia Clodovel disse que “eu fiquei meio louco, só isso” e acrescentou que não foi revistado quando embarcou no aeroporto de Cuiabá. A Polícia Federal já apurou que o detector de metais no aeroporto estava desligado. “Não foi um ato terrorista”, declarou o porta-voz da Polícia Federal em Campo Grande, Francisco Morais. “Esse homem tem problemas mentais”.