Caçapava, SP – O general-de-brigada Floriano Peixoto Vieira Neto, comandante da 12.ª Brigada de Infantaria (Aeromóvel), apresentou ontem, em Caçapava, o esquema de segurança que vai funcionar durante a visita do papa Bento XVI, em Aparecida, a 170 quilômetros de São Paulo, em maio. Batizada como ?Operação Arcanjo?, as ações planejadas e coordenadas, pelo oficial, envolverão pelo menos outros dez órgãos relacionados à segurança, envolvendo cerca de 3,5 mil homens, sendo 1,5 mil pertencentes ao Exército Brasileiro. ?A segurança pessoal do papa estará a cargo da polícia do Vaticano e de homens da Polícia Federal. Nós cuidaremos das áreas que envolvem os deslocamentos do papa e as concentrações de público?, disse Floriano Peixoto.

Segundo ele, o percurso entre o seminário Bom Jesus e a Basílica Nacional será feito num ?papa-móvel?, um carro com uma proteção blindada e transparente, que permitirá que o papa veja o povo e seja visto por ele. Para percorrer os 30 quilômetros de ida e volta, até a Fazenda Esperança, em Guaratinguetá, a 175 quilômetros de São Paulo, o papa usará um carro blindado, providenciado pelo Itamaraty.

Entre os dias 21 e 25 de abril, os militares e todos os demais órgãos envolvidos na operação farão um ensaio geral e em 8 de maio ocuparão toda a área delimitada para a operação, nos municípios de Aparecida, Guaratinguetá e Potim. O início da missão está oficialmente prevista para 11 de maio e o encerramento no dia 13, quando o papa se despede da cidade, voando em direção a São Paulo, por volta das 18h.

No dia 12 de maio, horas antes da passagem do papa em direção à Fazenda Esperança e à cidade de Potim, todas as vias por onde passará a comitiva serão fechadas. O acesso só será permitido a pedestres -até o cordão de isolamento – ou carros, se credenciados. ?A intenção é que todos os fiéis possam ver o papa?, disse Floriano Peixoto. O número de ônibus na cidade também será controlado.