O relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito do Banestado, deputado José Mentor (PT-SP), leu ontem partes já prontas de seu parecer. Ele disse que ainda não sabe a data exata em que apresentará seu relatório. O presidente da CPMI, senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT), afirmou que ainda não houve votação de requerimentos e que, portanto, não há previsão de novas pessoas convidadas a depor nos próximos dias.

A Comissão investiga a remessa ilegal de cerca de US$ 30 bilhões para o exterior, por meio das chamadas contas CC-5, destinadas a brasileiros que residem no exterior e empresas com sede no exterior. A CPI foi criada para apurar as responsabilidades sobre a evasão de divisas do Brasil, que teriam sido enviadas para o Banestado, com sede em Nova York, e depois remetidas para os chamados paraísos fiscais, em razão de denúncias veiculadas pela imprensa, reveladas pela Operação Macuco, realizada pela Polícia Federal.

Parte das evasões, conforme vem apurando a CPI, foi feita pelo Banco Araucária, no Paraná. A evasão teria sido feita entre 1996 e 2002 e pode ter envolvido de 100 a 200 pessoas, segundo depoimentos dados à CPMI.